Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: Amor.

Craig L. Ghislin, C.S., Glen Ellyn (Bartlett), IL
Posted Monday, January 27th, 2014

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA
Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros

Uma ajuda para o seu estudo da Lição Bíblica

TEMA: AMOR
                                    PRATIQUE O AMOR À MODA DIVINA

De 27 janeiro a 2 de fevereiro de 2014.
Abreviações: Ciência e Saúde – CS; Ciência Cristã – CC; Lição Bíblica - LB; Bíblia – B; Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH.
No filme a A vida de Pi, o personagem principal fala a respeito das coisas que aprendeu de cada religião que estudou. Quanto ao Cristianismo, disse que aprendeu sobre o amor.
Texto Áureo – 1 João 4:16: “Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.”
A frase: "Deus é amor" é um selo de qualidade na doutrina Cristã. É um tópico distintivo do Cristianismo e vai muito além da visão comum de mera moralidade ou devoção a alguma coisa. Dizer "Deus é o próprio Amor" é tão poderoso que as palavra mal lhe fazem justiça, embora as pessoas tenham tentado ao longo do tempo. O teólogo Adam Clarke descreve esse fato da seguinte maneira: Deus é amor--uma fonte infinita de benevolência e beneficência para todo ser humano. Ele não odeia nada do que fez. Ele não pode odiar, porque é amor. Ele faz o sol elevar-se para maus e bons e envia sua chuva sobre justos e injustos. Ele não criou nenhum ser humano para perdição nem decretou ser impossível que cada alma caída encontre misericórdia... Já foi observado, com razão, que mesmo Deus sendo santo, justo, reto, etc., Ele nunca é denominado de santidade, justiça, etc., no abstrato como aqui chamado de AMOR. A mim me parece que AMOR é a essência da natureza Divina, e todos os demais atributos são apenas derivações disso.
Deus não só é o próprio Amor, como também se alguém pretende compreender Deus, precisa compreender o Amor e mostrar tal compreensão incorporando tudo o que ela inclui, bem como sua demonstração.
Leitura Alternada: 1 João 3:1, 11; 4:7, 11-13, 16, 17, 21
O propósito do amor de Deus pelo homem é ilustrado de muitas maneiras; uma delas é que Deus nos ama de tal maneira que nos chama de Seus filhos. Esse amor não é pouca coisa. Idealmente, o amor paternal é o vínculo mais forte que se conhece. Ser filho significa ter todas as qualidades do pai e ter acesso a tudo que o pai tem. Esta filiação vem acompanhada de uma responsabilidade--devemos amar os outros como Deus nos ama. Isto mostra que compreendemos, incorporamos e vivemos o amor assim como nosso Pai-Mãe-Deus é Amor. Se não amamos, não conhecemos a Deus. Semelhantemente, se não expressamos o amor de Deus, também a humanidade não será capaz de conhecer ou compreender Deus.
João diz (4:7): "Ninguém jamais conheceu a Deus". Deus não pode ser visto ou percebido pelos sentidos materiais. A única maneira de genuinamente reconhecer e compreender a Deus é pela evidência de que amamos uns aos outros, e isto ilustra a presença do Espírito em nossos corações. Albert Barnes escreve: "O verdadeiro amor se derramará sobre todos que chegam a seu alcance, e assim será completo e pleno". "Nisto é em nós aperfeiçoado o amor" (I João 4:17). Dessa maneira o amor em nossas vidas se torna o que deve ser, e isso nos preparará para vir com confiança ao julgamento, pois nosso amor está modelado de acordo com o de Cristo.
Seção 1: Amor gera Amor . A partir da premissa de que Deus é Amor, concordaremos que se andamos no amor, andamos em Deus. O Amor é tanto o combustível quanto o produto da religião cristã. Abraçar a atitude de amor a Deus e aos homens tem efeitos profundos. Em Provérbios (27:19, B2) lemos: "Assim como a água reflete o rosto da gente, o coração mostra o que a pessoa é" (NTLH). Comentaristas da Bíblia veem esta passagem de vários ângulos. Alguns acham que, basicamente como as águas são iguais, assim são os corações dos homens. Já outros afirmam que o versículo sugere que poderemos ver nosso caráter desenvolvido no temperamento dos outros; ou que se possa ver nosso coração nas ações de outros. Fico intrigado com as observações de Barnes: "Assim como vemos nossa face quando olhamos num espelho d'água, assim em cada coração do homem podemos ver nossa própria semelhança. Apesar de todas as disparidades, chegamos a um ponto comum da natureza humana no qual todos somos iguais. Outros veem a referência ao reflexo na água como o pensamento pelo qual julgamos os outros, seja fiéis ou o inverso, tal como nós somos."
Isto me fez pensar no conceito "espelhar". Geralmente quando alguém sorri para você, provavelmente você responderá com um sorriso. Assim num grupo de amigos eles acabarão por espelharem-se mutuamente na linguagem corporal uns dos outros.
A implicação desse conceito aplicado ao nosso tópico do Amor, é que se formos amáveis, ajudaremos o mundo a se tornar mais amoroso. É Barnes quem escreve novamente: "A terra está cheia de amor na medida em que a religião prevalece, e estaria completamente cheia se a religião prevalecesse em todos os lugares. O Amor removeria todas as paixões corruptas, os ciúmes, as guerras na terra, e difundiria por todo o globo a felicidade celestial. Por isso, se um homem for assim impulsionado terá o espírito do mundo celestial reinando em sua alma, e viverá numa atmosfera de amor.”
Esta declaração coincide com citações encontradas em Ciência e Saúde: "Do Amor, bem como da luz e da harmonia nas quais mora o Espírito, só podem vir reflexos do bem" (CS2, p 280:4-6). Mais além ela afirma que subordinar o testemunho do sentido material aos fatos da Ciência, nos levará a ver "essa semelhança e esse reflexo verdadeiros em toda parte" (CS3, p 516:4). Quando vivermos no Amor e o refletirmos, esse Amor será espelhado em todas as partes do mundo ao inundar “tudo de beleza e de luz". Que expectativa esperançosa e positiva!
Provavelmente, nós todos já sentimos a diferença entre alguém entrando numa sala ou numa situação com atitude elevada e generosa versus alguém com cara amarrada e crítica. Uma fisionomia amável, irradiando alegria pode de fato alterar a atmosfera. Imaginem a mudança que iria ocorrer se cada um nós adotasse esse espírito de generosidade. Que tal se mantivéssemos os quadros negativos que vemos sob controle por visarmos os fatos científicos da natureza verdadeira de cada ser humano, sendo assim testemunhas ativas tão só do amor onipresente? Eddy diz que podemos esperar ver essa semelhança em toda parte. Isso é o que poderíamos estar fazendo como Cristãos--levando essa luz de amor a toda situação redimindo e regenerando, assim, todo o mundo. O restante da Lição Bíblica explora vários cenários para tal realização.
Seção 2: Correção Gentil - A história da embriaguez de Noé (B5), não é tanto sobre a indiscrição de Noé como a resposta do filho para ele. A maioria dos comentaristas supôs que Noé não tinha a intenção de ficar bêbado. Eles imaginam, baseados na história, sendo o vinho uma invenção relativamente nova, que ele realmente não sabia o efeito que faria sobre ele. Esta atitude confere com a interpretação do versículo de Gálatas (B6). Ser "surpreendido em algum erro" significa "ser surpreendido, pego de surpresa, invadido de repente, tomado antes de se aperceber" (Clarke). A mensagem geral é que todos nós cometemos erros, às vezes, muito grandes. Como tratamos aqueles que se enquadram nesses problemas? Seria fácil fazer o que Cam fez – um grande escândalo sobre o assunto e fazer fofocas sobre isso. O fato de que Cam acaba sendo amaldiçoado por seu comportamento implica que Cam teve o prazer de ver seu pai em uma posição comprometedora. Quando você vê outros tomando decisões ruins, especialmente aqueles que deveriam saber melhor o que fazem, sente prazer em ver a decisão desastrada a ponto de expô-la ou iniciar uma crítica severa sobre o quanto estão errados? Isso não é amor!
Ambos, Sem e Jafé foram compassivos conforme sugerido em Gálatas: "...corrigi-o com espírito de brandura." "Corrigir" significa "trazer de volta ao seu devido lugar, como o reposicionamento de um membro deslocado”. Você já ajudou alguém com uma articulação deslocada? Eu sim. Minha esposa e eu estávamos casados e num momento de lazer estávamos jogando tênis quando seu braço literalmente caiu do ombro. Nós não sabíamos o que fazer, mas eu intuitivamente apenas segurei-o com muito cuidado para que ele não ficasse pior. Oramos, de repente o braço simplesmente voltou ao seu lugar. Ela telefonou para um praticista e em uma semana estava completamente curada. Compartilho isso para demonstrar que se eu tivesse tentado colocar o braço dela no lugar, estaria abordando equivocadamente o caso. A minha principal preocupação na ocasião, era evitar causar qualquer outro dano, e eu estava especialmente consciente da necessidade de ser gentil. Isto é o que a Bíblia sugere que façamos com aqueles que são surpreendidos por uma falha. Devemos amorosa misericordiosamente trazê-los de volta com um carinhoso e tolerante espírito de perdão.
A definição de Eddy sobre SEM (CS4) e JAFÉ (CS5) descreve ”afeto carinhoso; amor repreendendo o erro; e paz espiritual que emana da compreensão de que... o homem é Sua ideia, o filho da Sua solicitude.” Foi isso que esses irmãos fizeram. Eles voltaram a olhar para longe do pecado e o cobriram. Isso significava que nem eles e nem qualquer pessoa iria ver. Esta é a ternura expressa por Deus (CS6). Eddy nos diz: "o pobre coração sofredor" necessita "paciência na tribulação" (CS7). A Verdade não amplia falhas. Ela nos renova. Todo o pecado é lavado. Quando alguém expõe o erro de outrem, de nada adianta. A autora de CS diz que a maneira de se livrar do erro "é inundá-la (a mente mortal) com a verdade, mediante fluxos de Amor” (CS8). Essa imagem não é punitiva, mas refrigera e está cheia de bênçãos para todos.
Seção 3: Amor Genuíno - A instituição do casamento tem sido importante para o bem-estar da sociedade. Em Efésios 5:33 (B8), temos instruções concretas de que marido e mulher devem mutuamente respeitar e cuidar um do outro. Albert Barnes bem expõe sobre este versículo: "...a felicidade da sociedade depende das mesmas regras do ponto de vista da relação matrimonial. É uma verdade mundial, que as opiniões que prevalecem em relação a esta relação determinam tudo referente a todas as outras relações da vida, e todas as outras fontes de prazer."
Com a importância do casamento em mente, a história de como Rebeca foi encontrada por Isaque (B9) toca em todos os aspectos. É cheia de amor em todas as direções. Primeiramente, o servo é amado e tem a confiança de Abraão, o servo em troca ama seu mestre e Deus o suficiente para fazer o seu melhor para cumprir sua missão. Acho interessante que Abraão não desejasse uma noiva de Canaã. Vocês devem se lembrar de que Cam, filho de Noé, que expôs a nudez do pai, tornou-se o pai dos cananeus. Os cananeus estavam seguindo o caminho sensual e afundando na impiedade e na injustiça. Abraão estava à procura de um relacionamento edificante que seria favorável à aliança que Deus fez com ele.
Acho admiráveis os pensamentos de Matthew Henry sobre esta história: "...nenhuma preocupação na vida é de maior importância para nós, para os outros, ou para a igreja de Deus, do que o casamento.  Este, portanto, deve sempre ser contraído com muito cuidado e prudência, especialmente com referência à vontade de Deus, e com a oração para sua direção e bênção." O servo ora por orientação e foi guiado, não para um lugar de encontro social, diversão e prazer, mas para junto de uma fonte d’água, onde a atividade saudável estava acontecendo. Ele é levado a encontrar Rebeca e ela concorda em ir com ele. A motivação para esta união foi maior do que a mera preocupação com a prosperidade futura. Foi amor a Deus, e submissão à lei de Deus, e Deus guiou cada passo do caminho.
Nosso livro texto declara: "A Ciência Cristã revela que a Verdade e o Amor são as forças motrizes do homem” (CS9). Ele também chama a atenção para as coisas mais importantes para uma convivência feliz e permanente: "São necessárias afinidades de gostos, motivos e aspirações" (CS10). Não há dúvida de que o casamento tem sofrido alguns momentos difíceis. Quase metade dos novos casamentos nos últimos anos acabou em divórcio. Nos dias de Mary Baker Eddy, ela afirmava que: "A união dos sexos passa por terrível discórdia" (CS 65:10-11). Mas não precisa. Ela explica na p. 57 (CS11) os benefícios da união adequada de qualidades masculinas e femininas. Nos dias atuais, é verdade que há alguma ampliação dos papéis que homens e mulheres desempenham, mas parece, em todo caso, que a união das qualidades que Eddy menciona é fundamental. Ela também fala sobre os objetivos mais elevados de "ambição isenta de egoísmo, os nobres motivos de vida e a pureza", como componentes essenciais para um lar feliz. Se você reservar um tempo para ler todo o capítulo sobre o casamento, você vai ver que quase todo ele tem a ver com a devoção mútua e interesses semelhantes. Ela também adverte contra o ciúme e ser muito dominador. A visão antiquada do casamento representado por uma "bola de ferro com uma corrente" é uma proposição que deve ser eliminada. "Lar... deve ser o centro, mas não o limite, dos afetos" (CS12). A última citação resume perfeitamente: "terna solicitude... desvelo e aprovação" (CS13), praticadas em todos os relacionamentos é o caminho a percorrer.
Seção 4: O Amor não está limitado ao nosso próprio - Na Leitura Alternada, observamos a força do amor parental. Aqui, vemos que esse amor parental, familiar, não está limitado aos laços sanguíneos. Amar apenas nossos parentes de sangue é uma forma de tribalismo. Amor não significa posse nem ligação pessoal. Esse não é o amor que cura. Na história de Moisés nos carriçais (B12), vemos que a mãe de Moisés realmente amava seu filho. Ela fez de tudo para garantir sua segurança. A filha do Faraó percebeu imediatamente que a criança era hebreia e o decreto de seu pai significaria a morte dessa criança. Mas ela também tinha um instinto maternal. Moisés era uma criança graciosa e ela deve ter ficado tocada pela gravidade da situação. Deixou de lado suas obrigações familiares e tribais e se importou com aquele que seu povo chamava de inimigo.
Conheço pessoas que são muito motivadas pela devoção sanguínea e que farão de tudo para colocar seus filhos à frente dos outros. Eddy deu seu recado ao dizer que amava a todos, independente de seus laços familiares. Ela disse que se orarmos pelos filhos dos outros da forma com que oramos pelos nossos, seremos muito beneficiados. O salmista reconhece que todos somos filhos do Altíssimo (B14). Paulo também salienta que ao invés de exercitar autoridade rigorosa sobre os Tessalonicenses, ele agiria com eles com o mesmo cuidado de uma criança delicada, alimentando-os, aconselhando-os e nutrindo-os.
Eddy descreve o Amor como o Princípio divino do universo, o Pai-Mãe imparcial e universal de todos (CS14,15). O ódio geralmente é estimulado pelo tribalismo arrogante. Mas não há desculpas para o ódio. Ele não é legítimo. Com o Amor sendo nosso motivador, não há limites para o bem que podemos fazer e sempre seremos levados a uma maneira apropriada de fazê-lo (CS16).
A citação CS17 nos mostra a maneira certa de “assistir convenientemente o nascimento da nova criatura”. Isso pode ser muito bem aplicado às ideias. A chave é “separar o pensamento mortal de suas concepções materiais, de tal maneira que o nascimento se faça com naturalidade e segurança”. Devemos usar essa instrução em tudo o que fazemos. No nascimento de uma criança, assim como no de qualquer ideia nova, não queremos que a mente mortal assuma o controle e siga por conta própria. Precisamos separar o evento de qualquer concepção material. A mãe de Moisés não o jogou simplesmente no rio e esperou que ele parasse em algum local seguro. Além de construir um barco seguro para o bebê Moisés, ela cuidou para que ele fosse colocado em um local onde pudesse ser encontrado. Nós, também, precisamos cuidar para que o único poder governando o desdobramento de uma nova ideia seja Deus, e saber que o poder do Amor e da Verdade levará essa ideia até sua plenitude. As verdades da Ciência Cristã destroem todas as falsas leis que reivindicariam o controle da situação.
Deus é nosso Pai-Mãe divino e tudo e todos são abençoados com a beleza e o bem. Gosto muito do fato de que o Espírito é a “fonte primitiva e derradeira” de nosso ser (CS19). Começar e terminar com Deus é um pensamento confortante.
Seção 5: Ame seus inimigos - A tentativa dos sírios de fazer uma emboscada para o rei de Israel foi várias vezes frustrada pela compreensão espiritual de Eliseu. Quando vieram capturar Eliseu, seu servo estava naturalmente amedrontado. “Ai! Meu senhor! Que faremos?” Eliseu ora para que os olhos de seu servo sejam abertos e ele imediatamente viu muitos cavalos e carros de fogo protegendo-os. Os atacantes de Eliseu tiveram suas visões ocultadas, ao invés de abertas, e Eliseu os guiou na direção oposta à cidade onde estava o rei. Quando apresentados ao rei de Israel, ele achou que deveria matá-los, mas Eliseu já tinha aberto os olhos dos cativos e aconselhado o rei a alimentá-los e deixá-los voltar para suas casas, pois esse exército estava sob a custódia do profeta (B16). Eliseu parecia ter a intenção de ensinar a eles e a qualquer pessoa uma lição de compaixão.
Durante toda essa situação, Eliseu manteve-se em vantagem porque ele continuava fiel aos preceitos da santidade e da bondade. Mary Baker Eddy aconselhou um aluno certa vez: “nunca lide com o mal, da maneira como o mal lida com você” (Advice to Healers Volume 2, p. 11, disponível na Biblioteca Mary Baker Eddy para o Progresso da Humanidade). Isso ecoa a advertência de Cristo Jesus de “Amai os vossos inimigos” (B17).
Ciência e Saúde nos lembra com certa regularidade para que nos esforcemos para vivermos em paz e harmonia com todos os homens (CS20). Os conflitos surgem da crença em mais de uma mente. Essa crença de muitas mentes esquece que o Amor é universal e que todos os homens são semelhantes a Deus. Eliseu é um exemplo perfeito de permissão para que a “Alma domine” (CS21). Ele não concorda nem permite que o mal tenha sucesso, mas ele o expôs, repreendeu e, no final, abençoou seus inimigos. As ações de Eliseu comoveram a todos na história. Os atacantes foram vencidos, mas tratados com bondade e respeito; seu servo viu que havia mais coisas acontecendo do que os sentidos materiais o faziam acreditar; e o rei de Israel aprendeu uma nova maneira de lidar com os oponentes. As ações de Eliseu literalmente dissolveram “a obstinação, a justificação própria e o egotismo” (CS22). Ele era paciente e sabia que não havia poder oposto a Deus. Sabia que a totalidade de Deus significava que o mal não tinha poder algum. Seu “amor abnegado” permitia que ele recebesse e demonstrasse o poder divino (CS23).
Essa seção encerra com uma diretiva à qual faríamos muito bem em obedecer: “Vence tu o mal pelo bem” (CS24). Fazer isso nos trará proteção e não só ajudará a nós, como também ajudará a todos no mundo todo. Às vezes, achamos que nossos pequenos atos de compaixão, bondade e gentileza signifiquem pouco no esquema maior das coisas. Ou que podemos parecer fracos e tolos; ou ainda, que estamos permitindo que o mal vença. Mas a história de Eliseu, assim como muitas outras nas Escrituras, nos ensina que nossos atos de amor podem ter um efeito profundo em todos os envolvidos, independente deste ato ser imediatamente reconhecido. Portanto, lembre-se de que o bem dá a você “o único poder que se pode alcançar” e que você deve exercitá-lo pelo bem da humanidade.
Seção 6: O Amor cura - Por várias vezes nas Escrituras, vemos que as curas de Jesus começaram com ele sendo movido pela compaixão (B18). Seu coração buscava a todos que estavam em necessidade. Aqui, de novo, vemos que ele não reservava sua compaixão só para seus amigos mais próximos, ou para pessoas que já estavam bem e que pareciam bem. Seu amor buscava os pecadores, os doentes, os deformados e os maltratados. Ele não aceitava suas enfermidades, pois o amor de Jesus por eles lhes restaurava a inteireza (B19). Ele ensinava seus discípulos a fazer o mesmo. Jesus não queria o poder da cura espiritual reservado somente para aqueles dentro do seu círculo de seguidores, mas ao invés disso, ele os enviou para curar toda maneira de doença e dificuldade, e para fazê-lo livremente (B20). Jesus queria que seus seguidores emulassem o seu amor; da maneira como ele expressou o amor do Pai (B21). Isso é provavelmente nosso maior obstáculo e nada poderia nos impedir de expressar amor. Sabemos muito sobre a Ciência Cristã. Memorizamos todo tipo de citações, mas amamos da maneira que Jesus e Eddy amavam?
Algumas vezes, podemos sentir que expressar um amor abnegado está além de nossa habilidade. Primeiro de tudo, é útil lembrar que o Amor divino é o sanador e atende a toda necessidade (S25). Isso significa que não temos de confiar em nosso próprio senso humano de amor. Nossa parte é fazer nosso melhor para incorporar e praticar esse amor. Não é a vontade humana que cura cientificamente. É o Cristo, a Verdade que “subjuga a crença humana na doença” (B26). Se temos problema em amar da maneira que Jesus e Eddy amavam, ajuda perceber que esse amor não era algum poder supernatural, especialmente concedido a eles. Todos nós podemos aprender a expressar esse Amor. É por isso que é uma Ciência. Eddy nos dá instruções que devemos seguir. Sob o título marginal de “Cura genuína” ela nos diz da “ternura” e “paciência passiva” (CS27). “Piedade” é na verdade uma das traduções da palavra “compaixão” conforme usada nos evangelhos. Jesus tinha compaixão. Nossa Líder também nos ensina a começar nossos tratamentos “acalmando o medo dos pacientes, assegurando-lhes silenciosamente” (S28). “Acalmar” é silenciar, pacificar, abater, mitigar ou superar” (SRB). Com certeza, para fazer isso efetivamente, precisamos estar claros em nosso pensamento que Deus é de verdade Tudo-em-tudo. Disso vem todo nosso trabalho preparatório. Utilizamos nosso tempo antes que a necessidade seja conhecida, para estudar, orar e manter nosso pensamento preparado. Assim, quando a necessidade surge, estamos prontos para atendê-la.
A última citação nessa seção é o “padrão de ouro” da cura. Com o título marginal “cura rápida” nos é dito que se alcançarmos o paciente através do Amor divino, um tratamento será suficiente (S29). Esse é nosso objetivo. Nós claramente temos mais trabalho a fazer nesse ponto, mas ele pode ser feito, porque ele já foi e está sendo feito. Vamos nos esforçar para fazer esse tipo de cura nosso padrão atual.
Seção 7: O cumprimento da Lei - “Amai vosso próximo como a ti mesmo” (B22). É isso. Essa é a palavra. Que mais precisamos? Mathew Henry coloca decididamente um ponto nisso em seu comentário: “Felizes seriam, se os cristãos, ao invés de lutar e devorar uns aos outros, devido a opiniões diferentes, se colocassem contra o pecado em si mesmos e nos lugares onde vivem”. É nossa oportunidade amar mais. Estamos todos no mesmo time.
Mary Baker Eddy afirma: “O Amor universal é o caminho divino na Ciência Cristã” (CS30). É isso. Então vamos começar a praticar o Amor à moda divina!
________________________________________________________________________
Estudo metafísico foi preparado por Craig L. Ghislin, C.S. – Tele 00 1 (630) 830-8683 Ellyn (Bartlett), Illinois, EUA craig.ghislincs@icloud.com
A equipe de tradução para o português é composta por Dulcinea Torres, Leila Kommers, Elisabeth Z. Friedrichs e Ovídio Trentini, com a leitura final por Orlando Trentini, CSB.
Visite o saite www.trentinicsb.com Ali encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, para baixar e partilhar com seus amigos. “Obrigada por compartilhar os relatos maravilhosos. Realmente, o site é uma bênção. LK, RS.”
Os estudos metafísicos dos Cedros são uma ajuda para o estudo diário da Lição Bíblica, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB. Os Cedros são um complemento para a LB. A tradução em português será postada até a 3ªfeira. Leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical

Metaphysical

Reason from Spirit, not matter! Let God turn mourning into dancing! - It is undoubtedly true...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page