Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Seja livre! Deus libertou você de toda servidão! Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: São reais o pecado, a doença e a morte?

Kathy Fitzer, St. Louis, MO & Park City, UT
Posted Monday, April 7th, 2014

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

Seja livre! Deus libertou você de toda servidão!

Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros

Uma ajuda para o estudo da Lição Bíblica

Tema: SÃO REAIS O PECADO, A DOENÇA E A MORTE?
De 07 a 13 de abril de 2014

Abreviações: Bíblia – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS; Lição Bíblica – LB

Texto áureo: Gálatas 5.1 Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.
    O que significa ser realmente livre? Comparando essa tradução de Gálatas 5:1 da Almeida Revista e Atualizada, com a tradução na NTLH “Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres.” “Por isso, continuem firmes como pessoas livres e não se tornem escravos novamente” percebemos que ambas citam o fato de não retornar à servidão (escravidão), uma vez libertos. Penso que isso é apenas parte da liberdade. Podemos algumas vezes nos sentir livres de algum medo, doença ou limitação, mas assim que a ameaça de reincidência aparece, notamos que ainda há um resquício de medo e não estamos realmente livres. A concordância “Strong’s Exhaustive” fornece a definição da palavra Grega traduzida como “livre” em Gálatas como ”isento de [...] responsabilidade mortal”. Para mim, isso é liberdade! A única maneira de sentir essa liberdade é reconhecê-la como um dom do Cristo, a totalidade da bondade de Deus jorrando no homem, um dom perpétuo!
Leitura Alternada: Salmos:67:1-3;  56:2 (até ;),3,4,9,13;  119:33,41,44,45 (até :)
    O último verso cita andar em “liberdade”. Olhando o original Hebreu, liberdade significa aqui “amplo, emtodas as direções”. A Concordância Strong’s, em inglês, explica: Não mais ser “engolido” ou sentindo-se oprimido ou asfixiado por coisas que parecem não estar certas e acabam saindo errado. Como manter esse estado de liberdade - amplidão mental? O salmista começa por reconhecer Deus como sua salvação. Ele se recusa a “temer o que a carne (qualquer coisa) possa fazer”. Ele se recusa a sentir medo ou a honrar ou respeitar qualquer coisa que não venha de Deus. Ele sabe que Deus está com ele e Deus é misericordioso. Então, ele pede ajuda a Deus a fim de poder manter a lei de Deus. O Sermão do Monte e os Dez Mandamentos descrevem nosso direito nato como filhos amados de Deus. Reconhecer isso - e nos identificarmos como a expressão de Deus – nos liberta para “manter” (obedecer) a lei de Deus “continuamente” [sem interrupções] e a “andar em liberdade” absolutamente sem limitações, sejam físicas, mentais, emocionais, fiscais, financeiras e morais. Quanto mais nos alinhamos consistentemente com Deus – e Sua bondade misericordiosa – mais experimentamos a liberdade real!

Seção 1: A totalidade de Deus assegura a liberdade permanente
   O salmista nos diz que Deus nos liberta das amarras do pecado, da doença e da morte (B1). O Profeta Isaías nos assegura: “Digam aos desanimados: “Não tenham medo; animem-se, pois o nosso Deus está aqui. Ele vem para salvar, ele vem para castigar os nossos inimigos” (B3-Is 35:4, NTLH). “Eis que envergonhados e confundidos serão todos os que estão indignados contra ti; serão reduzidos a nada, e os que contendem contigo perecerão” (B4). São, portanto, o pecado, a doença e a morte reais? Não! São o inimigo que Deus destrói – “serão reduzidos a nada”. Portanto, se são 'nada', por que parecem tão reais? Porque, assim como uma nota falsa simula uma nota verdadeira, parecendo real, “a crença material humana” do pecado, da doença e da morte “simula as criações da Verdade” (CS3). A solução é parar de acreditar na crença. SAIBA como é a Verdade! “Os códigos humanos, a teologia escolástica, a medicina material e [as leis materiais de] higiene” (CS4) concentram-se na contrafação, tentando manter sob controle algo “supostamente” real. Porém, “a Ciência divina” revela a natureza ilusória do pecado, da doença e da morte e nos liberta revelando a totalidade de Deus, ou o bem, e ensinando que somos governados pela MENTE, e não pelo corpo! (CS5). Essa é a liberdade permanente!

Seção 2: Acredite no testemunho de Deus, ao invés de no sentido corpóreo.
    Moisés recebeu uma grande tarefa: libertar os filhos de Israel do cativeiro do Egito (B6). O Profeta Isaías ensinou que resultados apropriados através do jejum (ou adoração de Deus) seria a libertação de todos que estavam sendo tratados como escravos (B8). Mary Baker Eddy (ao apresentar a Ciência Cristã ao mundo) expandiu essa missão para incluir/libertar toda a humanidade do cativeiro dos sentidos - do pecado, da doença e da morte. Deus demonstrou a Moisés a natureza ilusória da doença quando a lepra apareceu na mão de Moisés - desaparecendo em seguida - como resultado dele simplesmente ter colocado sua mão dentro da camisa. Que a lepra pudesse surgir dessa maneira não é mais doido do que acreditar que a doença ocorra como resultado da exposição do corpo a determinadas condições meteorológicas ou a germes, ou DNA ou a chamada quebra de uma “lei da saúde”, etc. Recebemos instruções específicas sobre como responder se somos tentados pela ilusão da doença ou do pecado (CS8).
     É importante começarmos a perceber que não estamos trabalhando para nos libertarmos de um dominador real, de uma doença real ou de um pecado real. É a crença do sentido corpóreo, uma ilusão. Não é nem mesmo nosso pensamento, porque somos governados pela Mente, Deus. Mas, como aquela nota falsa, pode parecer muito real. E, aquele que está hipnotizado acredita que vê e sente coisas que não estão realmente ali, precisamos acordar para a realidade para nos libertarmos da ilusão do sentimento real. AGARRE-SE a Deus (da mesma maneira como uma criança se agarra à mãe ou ao pai). Não cogite mentalmente NADA que não seja a expressão de Deus, o bem. Não deixe que o medo ou a dúvida abalem sua certeza de que o reconhecimento da harmonia eterna da Vida destruirá todo o sentido - e crença - daquilo que não faz parte da Vida (Deus, o bem). Confie na verdade da Ciência Cristã (a lei de Deus, o bem) para mostrar-lhe o verdadeiro estado das coisas ao invés do testemunho do sentido corpóreo.
    A compreensão correta do ser (Deus e o homem como coexistente e eterno) substitui prontamente o erro com a Verdade, a ameaça da mortalidade com a imortalidade (impossibilidade da morte) e silencia a discórdia com a lei da harmonia! Deus é quem obra em nós. Só precisamos ficar do lado de Deus (agarrar-nos a Ele) e rejeitar a ilusão. Não podemos mais ser enganados pela ilusão quando compreendemos a irrealidade da ilusão. Vamos reconhecer que REALMENTE compreendemos Deus, de modo que não podemos ser ludibriados pelas ilusões do sentido corpóreo.

Seção 3: Use sua liberdade para servir a Deus e rejeitar o pecado
    Deus nos fez livres (liberados e não-confinados). Mas precisamos estar seguros para não confundir a liberdade que Deus nos deu com um senso humano de sermos livres para fazer o que quiser sem medir consequências. Como a epístola de Paulo aos Romanos sugere, cada escolha que fizermos, cada pensamento que tivermos, determina o que estamos aquiescendo ou submetendo (morte, a crença de separação de Deus, ou retidão, a correta relação com Deus). Já a epístola de Paulo aos Gálatas deixa claro que o propósito de ser livre não é para satisfazer os desejos da carne (ou servir o corpo e a matéria), mas ser livre para glorificar a Deus e servir nossos semelhantes.
     Temos uma    lista enorme de tendências da carne que ocultarão o reino de nós, querem nos impedir de vivenciá-lo. Não é uma questão de Deus negar-nos residência em Seu reino. O homem de Deus, o genuíno ser indestrutível de cada um de nós, nunca deixou o Reino de Deus. Mas quando nos entregamos/toleramos as "obras da carne" (o pecado), aprisionamos nosso pensar humano numa crença de um reino "carnal" material e fechamos os olhos para a bondade de Deus. Por outro lado, quando aceitamos (e comemos livremente) os frutos do Espírito, estamos de fato livres para ver a realidade e nada pode intrometer-se nessa liberdade (B10). Sujeitar-se ou submeter-se é colocar-se sob o controle de algo ou alguém. Assim quando cedemos o controle a Deus e resistimos a tudo que não é semelhante a Ele (ou seja ao diabo) somos elevados às alturas do Espírito, onde a bondade de Deus se torna mais clara (B11).
    CeS esclarece ainda que não é suficiente declarar tontamente que não há pecado porque Deus é tudo. Há uma pretensão de pecado que pode ser muito persistente. Para vencer essa pretensão (e suas consequências) temos que identificar a presença do pecado (detectá-la), vê-la pelo que ela é (remover a máscara), vê-la como uma ilusão (nada para ser temido, mas corregido), dominá-la (obter a vitória) e dessa maneira provar que o pecado é irreal porque Deus é real (CS12). Façamos isso, pensamento a pensamento. Uma pilha de pedras é removida movendo-se uma por uma até não haver mais pedras. Mas tentem removê-la de uma vez (vale dizer, preocupar-se com o "tamanho" do pecado) e não conseguirão, pois ele parece ser um problemão.

Seção 4: A missão de Jesus - obedecer a lei destruindo o que Deus não fez
    A missão de Jesus era demonstrar a liberdade que Deus deu a TODOS. Isaías falou do poder libertador do Cristo atemporal no capítulo 61 (v.1 e 2) e Jesus apareceu numa forma humana para revelar o preenchimento dessa promessa em um modo totalmente prático! (B12). O poder sanador do Cristo nem começou nem terminou com o desaparecimento de Jesus. Embora muitos de seu tempo (e do nosso) não compreenderam/compreendem o inteiro impacto de seus ensinamentos e exemplo. A Ciência Cristã explica como Jesus destruiu o pecado, a doença e a morte enquanto cumpria a divina lei do bem (CS15). Essa tríade de erros NÃO é verdadeira, de modo que seu antídoto é a Verdade onipotente (CS16 e CS18). Pode parecer assustador e opressor pensar que temos de cambiar uma situação material real (querer parar um sol que gira em torno da Terra). Mas o "assim chamado corpo material é um conceito mental[...]". Ao ver o sol deslocar-se pelo céu, parece que a terra está parada e que é o sol é que se move. Desse modo, ao pensamento não educado, um eclipse solar pareceria um perigo iminente. Mas, ao pôr de lado o falso conceito, todos os tipos de fenômenos astronômicos se tornam compreensivos e o medo desaparece. Nenhuma analogia humana é perfeita, mas a questão é que não estamos lidando com um objeto sólido feito de matéria. Estamos lidando com a correção de falsos conceitos e visão da harmonia do homem e do universo criados e mantidos por Deus. CeS explica como seguir esse exemplo! A Verdade corrige o erro. A cura resulta!

Seção 5: Liberação do túmulo
     No próximo domingo, 13 de abril, é o Domingo de Ramos, a semana que antecede a Páscoa. Na LB desta semana temos a história de Jesus retornando à Betânia (onde havia ressuscitado Lázaro). As multidões se reuniam para ver Jesus e Lázaro. Jesus sabia que teria pela frente uma sentença de morte, era apenas uma questão de tempo. Seus opositores não conseguiam mais ver sua popularidade crescer entre as pessoas. No dia seguinte, Jesus continuou até Jerusalém, onde mais multidões o encontravam, saudando-o com ramos de palmeiras. Esses eram símbolos do triunfo e da vitória nacional. Lembre-se que, para muitos, a vinda do Messias representava a vinda de um novo rei político a Israel. Seguindo essa parte da história, encontramos Jesus montado em um jumento, concretizando a profecia de Zacarias 9:9, como citado em João 12:15. João mudou o “Alegra-te” de Zacarias por “Não temas”.
    Isaías dizia com frequência aos judeus que estavam cativos que não temessem, pois ele anunciara o início do reino de Deus e a concretização das promessas de salvação de Deus. A história do jumento faz parte de todos os evangelhos, mas João a inclui depois, ao invés de antes, dos ramos de palmeira. É como se João estivesse corrigindo o falso sentido de rei com essa verdade. Assim, Jesus é visto concretizando sua verdadeira missão como Salvador espiritual (libertador) do mundo. Mal sabiam seus inimigos que matar Jesus não impediria sua missão - na verdade até a intensificou (B14). Jesus compreendia que a morte não tinha poder para interromper a Vida. O que chamamos de morte é apenas outro conceito mortal, uma falsa crença, uma ilusão (CS19). PARECE muito real. Mas, o fato de que Jesus superou isso – por si mesmo e pelos outros – compreendendo sua irrealidade, prova que o homem real, a ideia intacta de Deus, a única identidade do homem, “não está sujeito às condições materiais” (CS23). A morte é a escuridão. Assim, para superá-la, juntamente com o pesar que a acompanha, precisamos permanecer na luz da Verdade, dia após dia, momento após momento (CS22). Deus e o homem são um como Princípio, Vida e ideia. E podemos – e devemos – nos ater à realidade, independente do que os sentidos materiais dizem. Recuse-se a antecipar a morte ou a aceitá-la. Nada pode abalar nossa convicção ou roubar nossa alegria quando olhamos para a vida através das lentes que Jesus revelou.

Seção 6 – Fique na ponta dos pés. Siga a Verdade e CAMINHE na liberdade!
    Falamos sobre o fato de que a matéria e todas as limitações são conceitos falsos que devemos - e podemos - enxergar quando nos concentramos na Verdade que o Cristo revela. O Novo Testamento de J.B. Philips traduz Romanos 8:19 como “Toda a criação está na ponta dos pés para ter uma visão maravilhosa dos filhos de Deus tomando posse” (B15). Quantas vezes vimos as crianças se esforçando na ponta dos pés para olhar sobre um balcão que estava obstruindo sua visão. É preciso força para ficar na pontinha dos pés, precisamos nos esticar! Mas, vale todo o esforço para vermos o que está acontecendo. Então, vamos nos posicionar e fazer um esforço mental a todo instante para enxergarmos as mentiras do sentido mortal - enxergar através dos falsos conceitos do pecado, da doença e da morte - e encontrar a liberdade (B16).
    Vamos dizer em conjunto com o salmista “Viverei à vontade, livre de perigos...” (B17-NTLH). Nada pode impedir nosso pensamento de escolher sermos livres. Somos carinhosamente chamados de “caro leitor” quando nosso livro-texto nos fala de nossos “direitos divinos”. Não há poder ou causa que possa nos deixar doentes ou pecaminosos. É apenas um “sentido mortal e material, que erra e não é poder” que esconderia a realidade de nós (CS25). Jesus nos deu um vislumbre das possibilidades divinas. Agora, é nosso direito ficar na ponta dos pés mental e nos esticarmos para ver além da barreira que tentar esconder a Verdade de nós. Deus nos fez livres! (CS27). Não vamos deixar que ninguém nem nada desvirtue o direito quevocê, e eu e todos a uma LIBERDADE PLENA. !!!
________________________________________
Este estudo metafísico foi preparado por Kathy Fitzer,CS  de St. Louis, MO e Park City, UT – EUA - kathyfitzer@gmail.com - 314-323-4083
A equipe de tradução para o português é composta por Dulcinea Torres, Elisabeth Z. Friedrichs, Leila Kommers e Ovídio Trentini, com a leitura final por Orlando Trentini, CSB.
Visite o saite www.trentinicsb.com. Ali encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, para baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB. Os Cedros são um complemento para a LB. O estudo em inglês será postado, no link abaixo, na 2a. feira. Sua tradução para o português será postada até a 3ªfeira. Busque e leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

Recognize Mind, God, as the source of all good and all understanding! - Whenever — for...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page