Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Viage mentalmente com Paulo para compartilhar corajosamente as boas novas de que o homem é espiritual, não material. Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: Vida.

Kerry Jenkins, C.S., House Springs, MO
Posted Monday, July 14th, 2014

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

Viage mentalmente com Paulo para compartilhar corajosamente as boas novas de que o homem é espiritual, não material.

Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros

Uma ajuda para o estudo da Lição Bíblica

Tema: VIDA

De 14 a 20 de julho de 2014

Abreviações: Bíblia–B; Bíblia Nova Tradução na Linguagem de Hoje–NTLH;
Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS; Lição Bíblica – LB

É provável que nenhuma personagem bíblica incorporasse melhor do que Paulo o vigor, a perseverança, o fervor e a dedicação a Deus como Vida. Mesmo antes de sua conversão, quando ainda se chamava Saulo, era conhecido por sua zelosa devoção aos seus princípios. Mas quando suas crenças foram iluminadas pela compreensão crística de Deus e pelo poder e Vida que Deus incorpora, essa elevação da crença para compreensão, mudou tudo. Suas convicções foram transplantadas do solo da crença e intelecto humano para o terreno frutuoso da Vida, Deus, que tem o poder de curar e abençoar. A compreensão, que tomou a forma de uma luz resplandecente (que o cegou temporariamente em seu caminho a Damasco para prender Cristãos), encontra eco na Leitura Alternada da lição desta semana: "Pois em ti está o manancial da vida;na tua luz vemos a luz". Essa luz da Vida nunca deixou Paulo, após sua conversão.
Nunca mais esteve sua fé baseada no intelecto e em leis, as quais formavam sua base educacional como Fariseu. A vida de Cristo tornou-se o fundamento vital de sua pregação e seu poder curativo como missionário nos primórdios do mundo cristão, como é hoje para nós! Jesus trouxe ao mundo a mensagem de Deus como Vida como ninguém o fizera antes; Paulo manteve essa mensagem de Vida viva para todo o sempre.

Texto Áureo: Atos 17:28 "[…] pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos".
[Ver no PS 1 de Warren a conexão que Mary Baker Eddy fez entre essa afirmação de Paulo em Atenas e sua "declaração científica sobre o existir" à página 468 no livro-texto da CC]. A afirmação de Paulo "[…] nele vivemos, e nos movemos, e existimos" é repetida na citação B2, e citada duas vezes no CeS nas CS6 e CS22. É uma afirmação surpreendente quando refletimos a respeito. Nossas ações, nossa vitalidade e nossa própria existência estão em Deus/Vida. Não estão na matéria. Isso é confirmado de certo modo na

Leitura Alternada: Salmos 90:1,2;  36:5-9;   Jeremias 10:10
"Antes que os montes nascessem e  se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade tu és Deus.” Fico pensando se isto não soa um pouco com: "...antes que mente humana concebesse a matéria como algo vivo ou como a construtora da vida, nós tínhamos vivido realmente em Deus" ou  ("Tu tens sido nossa morada em todas as gerações")?
Ao longo de cada seção nos são apresentados modos em que as leis da Vida anulam quaisquer pretensas leis de oposição, e nas palavras de Paulo nos é apresentado o fato de que nada pode separar-nos do amor de Cristo, nem ignorância, nem acidente, nem mente mortal agressiva ou violenta, nem temporal, doença ou mesmo injustiça humana (Ver Romanos 8:38, 39, e CS 14, p. 303).

Seção 1: Conhecer a Deus é a vida eterna.
Esta é a razão. Se vivemos, nos movemos e temos nosso ser em Deus, então experimentamos a harmonia desta vida quando entendemos que a Vida / Deus, é!  Paulo declara isso para os atenienses, quando ele prega para uma multidão que está mergulhada na adoração de muitos "deuses" em que há muita confusão e pouca, ou nenhuma, compreensão (B2).
Eddy dá grande brilho a Deus como Vida na citação CS4. Ela distingue entre eternidade e tempo. Tempo não tem nada a ver com a Vida. A matéria é limitada e não tem nada a ver com a Vida (a matéria é um "conceito humano"). Sabendo / compreendendo (não vivendo na ignorância impotente) que o que nós adoramos vive — e tem um poder ativo em nossa vida- esse entendimento dá ao homem o poder de experimentar a harmonia que é a própria Vida!

Seção 2: Nenhuma "lei" de acidente pode nos separar da Vida
Nesta seção Paulo está fazendo o que ele mais sabe fazer - pregar. Ele está indo de Atenas para Corinto pregando aos judeus em suas próprias sinagogas e aos gregos também.
Ele, sendo judeu e fariseu por formação e por tradição familiar, teria tido acesso a esta posição nas sinagogas. E aqui está o exemplo vivo do poder que a pregação de Paulo expressa. Quando um jovem cai do terceiro andar de um prédio, e é dado como morto, Paulo demonstra a natureza vital do Cristo sobre a qual ele está pregando. Este é um Deus que mostra a prova da Sua existência, não é envolto em mistério ou uma entidade incognoscível.
Enquanto os deuses místicos/mitológicos daquela época tinham representação física, o Deus que Paulo pregava era o Cristo vivo, o Espírito que jamais poderia ser representado na matéria, mas foi dado a conhecer pelas obras de cura. Assim como na seção anterior ficou claro que não há tempo na eternidade/Vida eterna, também, nesta Seção (citações CS7 e CS8). Eddy deixa claro que a morte e o acidente não têm parte na Vida.

Seção 3: A perseguição pode obscurecer, mas não pode expulsar a luz da vida.
Paulo, nesta seção ainda está pregando e sua pregação causou um tumulto violento. Ele está sendo espancado pela multidão e é "resgatado" por um oficial romano, que decide, para acalmar a multidão, punir Paulo de acordo com a lei romana. Aqui, Paulo anuncia sua cidadania romana, o que, segundo a lei, lhe confere o direito a um julgamento antes de haver punição. Paulo não está preocupado com o martírio. Ele é um homem cheio de vitalidade e com a missão de difundir o Evangelho, a morte não poderia servir a esse propósito santo. A citação B8 leva o ato agressivo a um impasse, afastando o pensamento para longe do que está acontecendo, confundindo a atmosfera, fazendo com que os anciãos saduceus e os fariseus argumentem a respeito do ponto teológico da ressurreição. Parece-me até engraçado que ele foi capaz de usar sua origem para acabar com cada ataque, primeiro sua cidadania romana, em seguida, a sua posição como um fariseu. Enquanto sua própria visão permanece preenchida com a clara luz da vida do Cristo, a visão de seus perseguidores é obscurecida pelas opiniões materialistas sobre Deus e da expressão de Deus, o homem (CS13 e CS14). Paulo conhecia melhor do que ninguém, a cegueira da ignorância, que foi autora de atos violentos contra os primeiros seguidores de Jesus. E com tal fundamento, ele provavelmente também reconheceu a oportunidade de confundir essas mentes mortais ignorantes. Ele também reconheceu o poder da luz e da inteligência da Vida (CS15).

Seção 4: Nem mesmo os atos da natureza podem nos separar do amor de Deus.
A história bem conhecida desse naufrágio (um dos três em que Paulo participou!), pode ser vista como uma ilustração da superioridade do governo da Mente/da Vida sobre as assim chamadas leis da matéria (nesse caso, o clima). Não deveríamos ter a determinação, como Paulo teve, de orar e devotar nosso pensamento à Vida, à compreensão de que a Vida é a única força no universo da Mente, a única atração, o único poder e a única realidade (CS19)?. Da mesma forma que a violência e a agressão dos homens na Seção 3 pareciam ser opressoras, a matéria faz sua apresentação agressiva aqui, como uma tempestade enorme. Há evidências de que a tempestade durou duas semanas. Consegue imaginar ser jogado de um lado para o outro e lutar contra as ondas enormes e o vento por tanto tempo? Ninguém dormia ou comia. A tripulação e os prisioneiros, que foram forçados a ajudar, estavam exaustos. Eles já tinham se desfeito de toda a carga, tinham perdido partes essenciais do navio e mal estavam conseguindo se manter flutuando quando Paulo disse-lhes que, embora não houvesse esperança para o navio, nenhum dos ocupantes pereceria. E, como havia um oficial  romano no comando, que respeitava Paulo, ele não lhes deu permissão de matar os prisioneiros, assim, ordenaram que todos chegassem à praia da maneira que conseguissem: “uns, em tábuas, e outros, em destroços do navio”. Mencionei anteriormente a ideia de que esses destroços poderiam representar os meios temporários que precisamos para chegarmos ao nível seguinte do pensamento, ou, talvez, as inspirações que nos elevam acima daquelas ondas do medo que se apresentam a nós no meio de uma doença ou de uma crise. Acho, aqui, que a oração de Paulo (e certamente a seção seguinte que está cheia de curas) eleva o pensamento de todos os passageiros. Ela ajuda a trazê-los em segurança à praia, demonstrando, mais uma vez, o poder de longo alcance e a vitalidade de uma compreensão da Vida.

Seção 5: A lei da Vida bane a “lei” da doença.
Na ilha de Melita, Paulo e os demais companheiros de navegação recebem hospitalidade. E aqui Paulo cura o pai do chefe da ilha, ou da vila onde estão hospedados. Essa cura leva a muitas outras, enquanto esperam pelo fim do período das tempestades de inverno antes de prosseguirem para Roma. Lembre-se, também, embora a história não esteja incluída aqui, que Paulo — logo depois de chegar à praia — é mordido por uma víbora e sai ileso. Assim, sua autoridade sobre a morte fica estabelecida, não apenas por sobreviver a uma terrível tempestade, mas, também, por sair ileso após a mordida de uma víbora venenosa e curar um homem que estava morrendo de disenteria. Essa seção termina com a passagem de Ciência e Saúde que lembra a conversa inspiradora de Paulo no deserto: “Toma consciência, por um só momento, de que a Vida e a inteligência são puramente espirituais — que não estão na matéria nem são constituídas de matéria — e o corpo já não se queixará de coisa alguma” (CS 14:11). Nossa consciência da luz da Vida desarma qualquer medo que tenha como base a ignorância, a pretensão agressiva ou até mesmo uma lei humana fundamentada, com a Verdade do poder do Cristo.

Seção 6: Vivendo como Paulo.
Ser um pregador da Vida não isenta Paulo das pretensões e das sugestões agressivas da vida na matéria. A citação B18 nos fala de Paulo: “Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar.” (Ele parece ter tido um final também violento, embora o fato de chegar a Roma e continuar a pregar em sua própria casa alugada — mesmo amarrado a um soldado ou a um guarda — por mais dois anos é como termina a história dele em Atos.) Apesar dessas ameaças agressivas, ele prevaleceu através de sua compreensão da fonte de luz que abriu seus olhos para sempre para a vida do Cristo. Nunca voltou à sua vida antiga de intelectual respeitável e de segurança. Continuou a pregar e a viver com energia, vitalidade, devoção, perseverança e aparente bom ânimo. Talvez possamos nos esforçar para fazermos o mesmo nessa semana, enquanto nos voltamos para a luz da Vida em Cristo Jesus, vivendo como Paulo vivia. Vamos apresentar Deus essa semana como a própria Vida! A lei da Vida nos sustenta nesse empreendimento.

[P.S. de Warren #1: Eddy escreve a respeito da declaração de Paulo: “S. Paulo disse aos atenienses: "Pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos”. Essa declaração é em substância idêntica à minha: “Não há vida, verdade, substância nem inteligência na matéria”. […] Se a Ciência Cristã reitera o ensinamento de S. Paulo, nós, como Cientistas Cristãos, devemos dar ao mundo a prova convincente da validade dessa declaração científica do existir. Tendo percebido antes dos outros esse fato científico, temos para conosco e para com o mundo a obrigação de lutar por sua demonstração” (Retrospecção e Introspecção, p. 93].
__________________________________________
Este estudo metafísico foi preparado por Kerry Jenkins, CS, House Springs, MO – EUA.  Tele 001 (314) 406-0041 
A equipe de tradução para o português é composta por Dulcinea Torres, Elisabeth Z. Friedrichs, Leila Kommers e Ovídio Trentini, com a leitura final por Orlando Trentini, CSB. / Visite o saite www.trentinicsb.com. Ali encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, para baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB. Os Cedros são um complemento para a LB. O estudo em inglês será postado, no link abaixo, na 2a. feira. Sua tradução para o português será postada até a 3ªfeira. Busque e leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical

Metaphysical

Find out what it takes to follow the Master Christian! - We have to be willing to leave the...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page