Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Atenham-se à Supremacia de Deus que Silencia as Tentações do diabo. Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: Denunciadas a necromancia antiga e a moderna, isto é, o mesmerismo e o hipnotismo.

Kathy Fitzer, Lake St. Louis, MO
Posted Monday, November 21st, 2016

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA


[Atenham-se à Supremacia de Deus que Silencia as Tentações do diabo]
21 a 27 de novembro de 2016
Denunciadas a necromancia antiga e a moderna, isto é, o mesmerismo e o hipnotismo.
__________________________________________________
Abreviações: Bíblia – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS; Lição Bíblica – LB
__________________________________________________
Texto Áureo: Romanos 16:19,20 - […] quero que sejais sábios para o bem e símplices para o mal.
E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás. A mensagem é simples: atenham-se ao bem, resistam ao mal. Confiem em Deus para destruir tudo o que Lhe for dessemelhante. Petersen parafraseia o Texto Áureo do seguinte modo em A Mensagem: “[…] quero também que sejam prudentes, afeiçoados ao bem e distantes do mal. Não se deixem enganar pelas conversas suaves e ao mesmo tempo malignas. Fiquem atentos. Antes que percebam, o Deus da paz irá derrubar e pisotear Santanás no chão.” Não há necessidade de afligir-se ou de ter medo. Deus tem tudo sob Seu controle!


Leitura Alternada: (Isaías 14:12-15,24,27; 54:’10,14,17).
Para compreender a mensagem da Leitura Alternada, tive de fazer alguma pesquisa. Aqui se faz referência à morte do rei da Babilônia, que mantinha Israel em cativeiro por 70 anos. Lúcifer havia sido identificado como a força por trás do rei da Babilônia. Ex-servo de Deus (o portador da luz), Lúcifer foi dominado pelo orgulho e pelo desejo de poder, que causou a expressão: “Serei como o Altíssimo”. Em outras palavras: “Eu dominarei o céu e serei Deus”. Resultado: O orgulhoso Lúcifer (e o orgulhoso rei) caíram – dominados pelo verdadeiro Deus. Como resultado a humanidade foi libertada da guerra e da servidão, da opressão e do terror. Desde o Século III, pensava-se que os versículos de Lucas 10:17,18 se referiam a Isaías 14. Aqui, os 70 discípulos que Jesus enviara numa missão de cura, voltaram relatando que “os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome”. Jesus respondeu: “Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago”. Como resultado, Satanás começou a ser conhecido como Lúcifer. Que mensagem podemos captar de tudo isso? Tenho certeza de que vocês encontrarão sua própria inspiração, mas eis algumas coisas que me vieram: (1) há UM só Deus—uma autoridade; (2) o que parece ser a fonte do problema nunca é uma pessoa (nenhum rei da Babilônia ou da Assíria, nem algum tirano moderno ou qualquer tipo de praga, seja doença, fome, seca, fogo, extremos climáticos, divisões, etc,, etc.). O culpado disso é sempre o orgulho de um suposto mal que sugere ser capaz de ser mais forte do que Deus – capaz de vencer o bem. O mal pode dizer tudo o que quiser. Esse orgulho de poder nunca durará. Não se deixem enganar pelas aparências – não sejam ingênuos. Deus, o Bem, é sempre o vencedor. Deus fez o homem livre! Fiquem atentos. Focalizem a atenção na Verdade, que arrancará o véu do erro. O mal tem de cair! Cristo Jesus veio para revelar a verdadeira luz que nunca pode falhar ou fenecer!


Seção 1: A totalidade de Deus elimina a possibilidade de qualquer coisa dessemelhante a Ele.
A promessa continua; Deus reina em Seu reino (B1, 1 Crônicas 29:11). Deus está acima de tudo! Deus expulsa o inimigo (B2, Sofonias 3:14,15). Nada pode se esconder de Deus (B3, Jeremias 23:24). Deus conhece Seus filhos e protege aqueles que buscam refúgio nEle. E Deus destrói por inteiro tudo o que é dessemelhante a Ele. Depois de verdadeiramente destruído, o mal não pode mais assombrar (B4, Naum 1:7,9). Não pode haver nada mais do que Tudo – mais do que o Deus onipresente e onipotente. Deus sendo Tudo, honrar outro poder é desonrar a Deus. Não devemos nunca desonrar conscientemente Aquele que é todo o Bem (CS1, 228:25-27). Sendo assim, onde se encaixa todo o mal que parece estar por aí? "O mal é uma mentira que se apoia em uma suposição" (CS3, 103:16-25). O mal é uma ilusão (CS5, 101:27-29). O mal é o nada posando de alguma coisa. É a tradicional fantasia de Carnaval – um disfarce removido pela compreensão dos ensinamentos da Ciência Cristã – de "que o mal, a matéria, não tem inteligência nem poder" (CS6, 454:10). Não importa que o mal pareça ser real, ele deve ser reduzido ao que ele é: uma sugestão hipnótica ou magnetismo animal, a crença de que haja algum poder além de Deus! O mal fala com orgulho de Lúcifer, ostentando seu suposto poder, mas acaba sendo esmagado para sempre pela Verdade!
Para saber mais sobre o tema a respeito de onde vem o mal, leia Escritos Diversos p. 45:21-9.


Seção 2: Fique alerta, assim o inimigo não poderá pegá-lo de surpresa.
O conforto na matéria, o pensamento preguiçoso, o menosprezo pela vida, a divagação sem manter-se alerta, são os perigos que poderiam nos deixar vulneráveis aos ataques do erro. Ficaríamos mais propensos a ser derrotados por um inimigo do que o povo de Laís. A tribo de Dã não conseguira derrotar o povo que ocupava a terra que haviam recebido. Assim, ao procurar por uma terra a que pudessem chamar de lar, acharam fácil tirar vantagem da cidade desprotegida de Laís (B8, Juízes 18:2,7-9,26-28). Porém, conforme vamos aprendendo mais acerca da história, os danitas também caíram na Babilônia. O mal não consegue permanecer para sempre. O povo de Laís se deixou levar por um falso senso de segurança, porque estava em um lugar muito isolado. Sua complacência impediu que reconhecessem o inimigo quando ele se aproximava e/ou de estarem preparados para responder quando perceberam o que estava acontecendo. A Sra. Eddy equipara a tribo de Dã (uma das doze tribos de Israel e os descendentes de Jacó ao magnetismo animal (CS7, 583:27-29). Dã representa o mal sutil anunciado que se esgueira sobre nós e nos derrota quando não estamos vigiando. Precisamos nos manter vigilantes e sóbrios. Mas cuidado, não confunda ser vigilante com tomar cuidado! Tomar cuidado aceita o mal como um poder real separado de Deus que se apresenta como uma ameaça real. Geralmente vem acompanhado do medo. Ser vigilante é manter a mente "tão preenchida pela Verdade e pelo Amor, que o pecado, a doença e a morte não conseguem penetrá-la" (My. 210). É apenas o pensamento que precisa sempre ser vigiado. A chave é manter-se alerta e não se deixar levar pela complacência (B9, Provérbios 6:10,11 e CS8, 102:21-24). Quando aparecem os comerciais na TV ou as notícias incitam o mais novo medo, descontentamentos e reclamações, acaso nós simplesmente viramos a cara? Só isso não basta. Ser verdadeiramente vigilante significa reconhecer o erro como uma sugestão hipnótica e combatê-lo, mantendo o pensamento tão cheio do bem, que não deixa qualquer espaço para que essa sugestão se enraíze no pensamento e seja cultivada sem percebermos, até que tome a forma de um problema insuperável. Temos o privilégio, como Cientistas Cristãos, de ter um papel ativo para atenuar "o mal, a doença e a morte". Estas sugestões agressivas serão superadas ao "compreender[mos] que el[a]s são o nada, e que Deus, o bem, é Tudo" (CS11, 450:20-22). Quando nos pegamos andando em círculos, temos de perceber tanto a nulidade do mal quanto a totalidade de Deus – a onipresença do bem – enquanto defendemos, com vigilância, a nós mesmos e ao mundo de ataques sorrateiros.


Seção 3: Invoque o Cristo para resistir às tentações do erro (do magnetismo animal)
Em contraste com a complacência exibida pelo povo da cidade de Laís, Jesus Cristo demonstrou a ousadia e a força necessárias para resistir ao mal e silenciar as tentações de Satanás (B12, Mateus 4: 1-11; CS16, p. 6). Jesus foi tentado logo depois de ter sido batizado e identificado como o Filho de Deus. Nós também seremos tentados. Mas nada pode nos fazer ceder à tentação. Podemos invocar o Cristo, a Verdade, para nos fortalecer, assim como Jesus o fez. O que podemos aprender com as sugestões que o diabo – o falso acusador – fez a Jesus? Em cada caso, parece que Jesus estava sendo tentado a usar o poder que Deus lhe dera para promover seu próprio bem, em vez de honrar e glorificar a Deus. Quantas vezes somos tentados a acreditar que precisamos de algo além de Deus para satisfazer nossas necessidades humanas (da mesma forma como Jesus foi tentado a transformar pedras em pão)? Será que somos tentados a fazer algo imprudente, "testando" Deus para verificar se Ele nos protegerá (assim como Jesus foi tentado a saltar do pináculo do templo)? Ou será que somos tentados a pensar que a possibilidade de obtermos algo glamouroso ou impressionante "fora dos padrões" vale tanto a pena a ponto de comprometermos nossos padrões e valores, ao invés de depender de Deus para nos dar toda a abundância do bem (como quando Jesus foi tentado a adorar o diabo em troca de receber o controle sobre todos os reinos do mundo material)?


Quando Jesus foi tentado por essas coisas, ele respondeu com "a Palavra de Deus", assim como lemos nas Escrituras. Podemos responder a todas as tentações que vêm a nós com o que sabemos da vontade de Deus e da Sua direção -– confiando em Deus para atender a todas as necessidades, e da melhor maneira possível. Jesus finalmente ordenou a Satanás que "se retirasse" – para que pudesse ficar frente a frente com Deus, sem nenhuma distração! A tradução do termo hebraico “Satanás” significa adversário, acusador ou alguém que resiste. O grego tomou emprestada essa palavra e, no Novo Testamento, a expressão significa literalmente o "inimigo de Cristo". Cristo é a Verdade. O que foi denominado de Satanás, diabo, ou o mal é uma mentira (CS13, p. 584). A Verdade sempre destrói a mentira. Podemos confiar nisso. Tudo o que temos a fazer é "obedecer" a Deus e "enfrentar o diabo". À medida que assim fizermos, as tentações fugirão. Encontraremos nossa liberdade. Deus está sempre ao alcance. À medida que simplesmente volvermos nossa atenção a Ele (aproximando-nos de Deus), poderemos sentir Sua presença e poder (B13, Tiago 4:7,8). Pense no que acontece quando você se aproxima do fogo ou de um aquecedor. Você sente o calor naturalmente. O calor irradia, assim como o amor de Deus irradia. À medida que nos aproximamos, somos naturalmente tocados por ele! A missão do "Filho de Deus" era "destruir as obras do diabo" (B11, 1João 3:8). O mal não tem poder! Quanto mais alerta permanecermos, mais fácil será resistir à tentação de responder ou de reagir a uma não entidade (o diabo) – ainda que ela possa se apresentar como algo bom ou ruim!


Seção 4: O Cristo expulsa o mal e o medo independente de sua aparência.
Jesus já havia rejeitado definitivamente a autoridade do diabo de influenciá-lo (como lemos na terceira seção). Aqui, o diabo desafia Jesus de uma maneira ligeiramente diferente: "Eu te reconheço, Filho de Deus. Você pensou que poderia me calar? Bem, aqui estou novamente – influenciando o pensamento de outra pessoa. O que você vai fazer sobre isso?" Jesus nunca ficou impressionado com a forma tomada pelo erro hipnótico (ou mal). O nada é nada. Assim, com a mesma autoridade que Cristo exerceu anteriormente, Jesus ordenou que o espírito maligno (o diabo) "saísse" do homem, e assim aconteceu (B14, Lucas 4:33-37). O homem era inocente. O diabo estava tentando usá-lo – mas Jesus percebeu claramente o esquema. Assim como Jesus expulsava o mal e o medo das pessoas, também nós temos a autoridade (a autoridade do Cristo, a Verdade) para fazer o mesmo – e devemos (CS19, p. 5). Como é importante separar o erro da pessoa. O resto da seção explica como podemos destruir as imposições do mal e do medo de toda natureza. Devemos "agarrar-nos firmemente à verdade do existir […]" (CS20, p. 418) e acreditar na verdade mais do que na mentira. A VERDADE é que cura. Nós não temos de compreender totalmente a Verdade – temos apenas de recusar-nos a recuarmos dela! Já nos foi dito que "[…] se a tua fidelidade [veracidade ou expressão invariável da verdade] equivaler à metade da verdade em que se apoia tua defesa, curarás os doentes" (CS20, p. 418). É uma promessa com a qual podemos contar. Não importa como o mal possa parecer impressionante – não importa que a sua sombra seja enorme, ou que ele grite alto, implore ou seduza para acreditar em seu testemunho e tentações –, ele não pode suportar ser constantemente confrontado com a "verdade do existir". A vontade humana não pode promover o mal nem silenciá-lo. Mas "a energia divina atua sem esforço" (CS22, p. 445) e é o que cura os enfermos e expulsa todo o mal – o pecado, a doença, a morte e tudo o que evoca o medo. Nosso privilégio é unir-nos à luz vivificante de Cristo, reconhecendo-a como o único poder – assim como Jesus o fez – e ver a Verdade libertar a humanidade do erro e da tirania de toda espécie!


Seção 5: A vontade humana é impotente para exercer qualquer influência sobre a Mente divina.
Barnabé e Saulo (ou Paulo) foram chamados por Deus para ministrar ao povo de Chipre. Estamos prontos para responder como eles responderam? Na ilha de Pafos, o procônsul romano, Sérgio Paulo, estava interessado em aprender mais sobre o que os apóstolos tinham a dizer. Mas um de seus conselheiros (referido como um mágico e provavelmente um falso profeta judeu) estava fazendo o seu melhor para convencer Sérgio de que não queria ouvir esse "absurdo". É provável que Barjesus (ou Elimas) estivesse preocupado que esses recém-chegados minassem o relacionamento que estabelecera com Sérgio, embora certamente essa não fosse a intenção dos apóstolos. Alguma vez você já experimentou interferências assim? Alguém parece estar interessado em aprender mais sobre sua compreensão de Deus, mas outro interfere, por qualquer motivo, talvez inserindo sua opinião de que a Ciência Cristã é perigosa ou louca ou algo assim. Uma das táticas do diabo é cegar a humanidade para o Cristo, a Verdade! Isso é o que o mágico estava tentando fazer, mas ele foi impedido quando ficou temporariamente cego.
A Bíblia dos Novos Intérpretes sugere que essa cegueira pudesse ser uma "metáfora do fracasso que ele e outros como ele têm em cegar as pessoas para o curso da salvação de Deus". A verdade não pode ser interrompida! Resultado: o procônsul viu a luz e foi convertido (B17, Atos 13:1-12). Parece-me que uma lição que podemos tirar disso é que não temos de ter medo ou ficarmos impressionados com a oposição do pensamento do mundo ou da teimosa vontade humana. Em última análise, é a Mente divina, ao invés da mente humana, que influencia o homem (CS23, p.82). Quando entendemos, ou simplesmente percebemos, que Deus, o bem, é a única Mente e que o oposto, chamado diabo ou o mal, não tem inteligência nem realidade, somos capazes de nos defender da influência dessa mente falsa e da vontade humana (CS24, p.469 e CS25, p.451). Paulo não se deixou intimidar pela oposição que tentou impedir que a Verdade fosse revelada a todas as épocas – da mesma maneira como a Sra. Eddy fez, e como nós devemos fazer (CS27, p.560). Qual é a chave para resistir aos ataques daqueles que estão cegos à lei de Deus? Fiquem plantados em Cristo (CS28, p.54). Recusem-se a ser dissuadidos de sua compreensão (e seu desejo de compartilhar sua compreensão) acerca da lei de Deus, se os ataques vêm de outras pessoas ou de nossos próprios corpos e pensamento, na forma de dor ou aparente falta de cura. Tudo o que se opõe ao Deus Todo-Poderoso e aos fatos da Ciência Cristã deve cair!


Seção 6: O acusador é derrubado e a Verdade é considerada suprema – Louvado seja o Senhor!
Em toda a Bíblia, vários nomes são dados para descrever o mal que se apresenta como bom – o erro que se apresenta como verdade. Começa como a serpente no Gênesis e toma a proporção de um dragão em Apocalipse. Entre eles está o acusador, o tentador, o diabo, os demônios, Satanás e muito mais. Eddy define o dragão vermelho como “Erro; medo; inflamação; sensualidade; astúcia; magnetismo animal; inveja; vingança” (CS29, p. 591).
Podemos acrescentar a essa lista muitos “subtítulos" de formas que o erro possa tomar. Mas, independentemente de como ele seja apresentado, a destruição do mal pela supremacia do Deus onipotente é assegurada (B21, Apocalipse 12:9). Devemos nos lembrar de sempre, sempre começar e ficar com o poderoso Deus que está "no meio" de nós – no meio (no centro) de todas as coisas (B20, Sofonias 3:17). Nosso trabalho é estarmos sempre conscientes da presença do Cristo de Deus. É o Cristo, a Verdade (plenamente encarnado por Cristo Jesus) que nos permite recusar a entrada do erro na consciência – não reagir com medo nem nos tornarmos complacentes com as sugestões do tentador. Vale a pena o esforço do vigiarmos constantemente – de denunciarmos tudo o que é dessemelhante de Deus, o bem, independente deste vir sob a forma de uma ameaça ou de uma promessa – tudo o que a matéria possa fazer por nós ou para nós. Ao fazermos isso, poderemos cantar com convicção cada vez maior: "Aleluia: Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso" (B22, Apocalipse. 19:6).
Esta afirmação de Ciência e da Saúde é fato absoluto e não deve ser esquecida, mesmo que os sentidos físicos gritem que há um poder diferente de Deus (o bem) que tem uma forte influência sobre nós: “Deus está em toda parte, e nada, a não ser Ele, está presente ou tem poder" (CS32, p.473). NADA, exceto o bem permanente, não adulterado e irreversível, tem qualquer poder de mudar ou influenciar a criação de Deus – a única criação, que está aqui e agora. Quanto maior o mal (erro) pareça ser, mais abertamente ele é oposto ao bem (a Verdade) (CS31, p. 569). Assim, em vez de ficarmos mais impressionados por ele, seu nada deve tornar-se mais evidente para nós quando nos apegamos firmemente à supremacia da Verdade, e nos tornamos cada vez mais conscientes da bondade do bem e rejeitamos a sugestão de que haja “inteligência na matéria, seja para beneficiar seja para prejudicar os homens (CS30, p.567). Como devemos ser gratos de que Deus é Deus –- Todo o Bem!! E de que o mal não é nada!
_________________
Este estudo metafísico foi preparado por Kathy Fitzer, CS314-323-4083 kathyfitzer@gmail.com
A equipe de tradução para o português é composta por Ana Paula Wagner, Dulcinea Torres, Elisabeth Z. Friedrichs, Leila Kommers e Ovídio Trentini.. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, para baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será postado, no link abaixo, na 2a. feira. Sua tradução para o português será postada até a 4ªfeira. Busque e leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

Find out what it takes to follow the Master Christian! - We have to be willing to leave the...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page