Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

O Espírito nos conhece. Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: O Espírito.

Kerry Jenkins, C.S., House Springs, MO
Posted Monday, January 30th, 2017

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA
De 30-1 a 5-2-2017

O Espírito
_________
Abreviações: Bíblia – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS; Lição Bíblica – LB
_________
Achei o Texto Áureo na lição desta semana maravilhosa e inextricavelmente costurado com cada seção. Suponho que este seja o caso de cada lição (esta é sua função!), mas da maneira como vejo nesta semana, vou aproveitar e fazer algo. O Espírito nos conhece. Não quero dizer que Ele nos conheça como “tal e tal”, que gosta de cavalgar ou de arte. Mas Ele conhece nossa identidade verdadeira, espiritual, distinta. Felizmente, Ele simplesmente não nos “cospe fora” e sai de cena! Ele continua conosco a cada passo. Somos expressões espirituais de Seu existir e não podemos ser separados do tecido desse existir. Talvez pudéssemos encontrar um “fio” de cor especial nesse tecido e dizer “ei, eu estou aqui!”; mas mesmo isso é um modo muito limitado de ver uma expressão completamente ilimitada do existir infinito e ilimitado! Certamente não somos tantos fiozinhos separados num pedaço de tecido de zilhões de quilômetros de fios! Temos de nos contentar em expressar ideias infinitas em termos humanos e encontrar a substância espiritual por trás da linguagem humana. O Espírito faz essa “tradução” de mãos dadas com a Ciência divina, que traz luz, compreensão e cura à nossa experiência humana.
A Leitura Alternada está dividida, de certo modo, entre o Antigo e o Novo Testamento. Na primeira parte, em Lucas, Jesus cita Isaías diretamente. Ele reivindica seu lugar na profecia e prova-a através das obras que então realizava. A segunda parte é dos escritos de Paulo. Indica que o mesmo Espírito que havia em Jesus continua a ter presença em nossos corações. Esse Espírito, afirma Paulo, nos faz capazes de não só seguir a letra da lei, como também o Espírito, ou seja, a expressão ativa dessa lei. Essa é uma ilustração da asserção do TA de que o espírito de Deus está presente conosco hoje e sempre. Estava presente quando a profecia foi ouvida e escrita em Isaías, estava presente quando Jesus andou sobre a terra, estava presente quando Paulo escreveu a epístola aos Coríntios, está presente agora, no Século XXI, com cada um de nós. Prosseguindo, vemos que a presença do Espírito acompanha (ou melhor, envolve!) o homem através das barreiras do tempo, da morte, da matéria e da lei material. Sua presença vence a sugestão de que haja uma identidade e um poder no mal, e vai revolvendo barreiras de cultura, idade e língua. O Espírito fala a todos nós, em qualquer circunstância. Só precisamos desenvolver nossa aptidão de ouvintes para sentir e escutar a orientação, o amor e o poder do Espírito.


Seção 1: A substância de nossa individualidade é espiritual.
O que torna o Espírito substancial, real e tangível em nossa experiência? A cura. Na linguagem bíblica: o fruto. Na citação B1 (Gálatas 5:22,23), Paulo nos diz que “o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.” Isso confirma que, quando Paulo disse aos Coríntios na Leitura Alternada: “não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica”, ele estava afirmando que podemos identificar aqueles que seguem este espírito através de suas obras. Nossa individualidade é vista somente na demonstração. Não é vista através do véu da matéria, mas “[…] com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor […]”. Não somos identificados pelas nossas características físicas ou mentais que são encontradas na matéria, mas as que estão “[…] na infinita luz e harmonia de onde emana a ideia verdadeira […]” (CS1, p.503). Além disso, não há lei que nos impeça de demonstrar amor, alegria, paz, etc., ao passo que a matéria tem sempre uma desculpa, geralmente formulada como lei, que nos impede de demonstrar estas qualidades espirituais. Talvez nos encontremos trôpegos sobre leis genéticas que ditam uma doença, infelicidade, depressão ou quaisquer tendências limitadoras. Ou quem sabe as tais “leis” ambientais. Independente da desculpa, o Espírito está no segmento da renovação, renovando nossa consciência fora da matéria e como um lar para o Espírito. Somos conhecidos ao Espírito e encontramos “[…] tudo em Deus […]” (CS5, p.264), e descobrimos que conhecemos a nós mesmos, nossa inteireza, quando nos voltamos ao Espírito por respostas.

Seção 2: O verdadeiro ser/existir está continuamente presente com o Espírito.
Nesta seção, Elias passa seu manto, seu senso espiritual, ao seu sucessor, Eliseu. Eliseu não poderia assumir este manto se já não possuísse o discernimento espiritual para perceber que Elias não poderia nunca estar separado do Espírito. Ele conseguiu identificar a partida de Elias pelos cavalos e carruagens de fogo. Pode parecer estranho para nós, mas realmente representa um senso espiritual iluminado e vibrante de poder, vida, proteção e continuidade. Ao menos é como eu vejo. O verdadeiro ser/existir é espiritual, agora e sempre. A Sra. Eddy coloca desta maneira: “O homem é imorredouro, espiritual […] Ele não atravessa as barreiras do tempo para entrar na vasta eternidade da Vida, mas coexiste com Deus e o universo” (CS8, p.266). Estamos sempre na presença do Espírito, não vamos embora para outro lugar. É a matéria que por fim desaparece, quando nossa consciência se torna cada vez mais consciente da substância espiritual do ser/existir. A Ciência Cristã ajuda-nos a discernir esta realidade espiritual (CS6, p.585).

Seção 3: A lei do bem do Espírito não pode ser retraída da abundante produtividade.
Eliseu cura a terra estéril de uma bela cidade. Ele faz isso com um punhado de sal – sério? Aqui temos outra oportunidade de traduzir espiritualmente as Escrituras. Por um lado, o sal pode tornar a água e a terra imbebíveis e mortais. Por outro, o sal representa algo que enriquece o sabor dos alimentos (veja Jesus usando a palavra no Sermão do Monte, em Mateus 5:13), e, nos tempos bíblicos, era o único conservante que eles tinham. O fato de que o sal, em quantidades abundantes, deixa o solo e a água ainda mais estéreis, em vez de menos, prova que Eliseu usou-o em total simbologia. O fato de que isso representa um sabor vibrante e é um conservante, assim como representa pureza e sinceridade, nos leva a compreender que a lei de Deus de vigor, produtividade, pureza e assim por diante, é espiritual e não é dependente de nenhuma circunstância material. A Ciência divina é como o sal. Ela torna a harmonia espiritual visível em nossa experiência. Ajuda-nos a ver a presença e o poder do Espírito. O Espírito se move sobre as águas da mente mortal (B8, Gênesis 1:2). Ele não manipula a matéria, mas transmite suas ideias através da Ciência divina, de modo que possamos discernir e compreender nossa verdadeira individualidade espiritual.

Seção 4: “As opiniões humanas não são espirituais” - C&S p.192:6-7.
Essa é uma das afirmações mais breves e incisivas da Sra. Eddy e que eu adoro. Não é raro ficarmos tocados emocionalmente pelas opiniões dos outros - sejam políticas, sociais ou pessoais. Não somos pêndulos balançando de um lado para o outro (“meninos, agitados de um lado para o outro” - B16, Efésios 4:14). Somos a descendência do Espírito. Não estamos sendo influenciados pelo “espírito” da doença, da genética, do ambiente, da opinião, ou algo do gênero. A única influência que é poderosa e presente é a influência divina do Espírito, e fazemos um bem a nós mesmos quando nos lembramos deste fato e o praticamos. Esse é um fato maravilhoso para nos lembrarmos em todas as estradas da vida. É muito útil e transformador no trabalho da igreja. Certa vez, depois de muitos anos de serviço em uma função específica na igreja, havia um novo chefe de comitê para “supervisionar” minha posição. Aparentemente, seu papel era apoiar-me metafisicamente, e também aos outros, mas em seguida ficou claro que a pessoa achava que seu papel era criticar e conduzir esta posição de uma forma que eu achava difícil de conviver. Eu fui rapidamente curado de um senso pessoal a respeito, quando percebi que meu trabalho imutável era orar, curar e continuar com minha obra, bem como concordar livremente e alegremente com as solicitações desta pessoa, desde que elas não atrapalhassem o meu trabalho. Agi de acordo, com um grande senso de liberdade, e continuei nesta posição de cura e alegria. Também não sentia nada além de amor por essa pessoa. Podemos usar o mesmo tipo de discernimento quando recebemos mensagens que tentam nos convencer de que estamos terrivelmente tristes, sentindo-nos autodestrutivos e assim por diante. Somos criações espirituais que receberam domínio e autoridade. Pode não ser sempre fácil perceber que as mensagens que se apresentam para nós não são nada além de sugestões de que a Mente não é a única fonte de inteligência – de que a matéria insiste em argumentar. É preciso uma grande persistência, às vezes, mas buscar discernimento e orientação no Espírito sempre leva ao caminho certo.

Seção 5: O Espírito conhece Seus filhos como humildes, persistentes e destemidos.
Sempre gosto da história contada na citação B20 (Mateus 15:21-28) porque luto para achar algo novo e inspirador cada vez que a leio, sabendo que a mensagem não pode ser de que Jesus tivesse sido brusco ou maldoso com uma mãe que buscava a cura de sua filha. Desta vez, fui recompensada por vê-la sob a luz da declaração de Jesus de que fora enviado senão “às ovelhas perdidas de Israel”, e de que não era correto “tomar pão dos filhos e dá-lo aos cachorrinhos”. As ovelhas perdidas poderiam, simbolicamente, ser vistas como os judeus inocentes que procuravam a verdade. E a Sra. Eddy define pão em CeS, p. 35, como “a Verdade”. De fato, não é inteligente lançar a verdade à frente dos que só escarnecem dela. A falta de juízo deles jogaria para o lado toda a tua valiosa compreensão e a devolveria de uma forma destrutiva. O cão é símbolo dos que não entendem, ou de pensadores materialistas. Essa mulher canaanita provavelmente pouco sabia de Jesus (os canaanitas tinham uma visão diferente do Messias), mas ela tinha um desejo sincero e puro de saber mais. Ela também percebeu o poder do Cristo por trás das obras de Jesus. Ela não ficou indecisa com o teor das palavras de Jesus, mas procurou humildemente por algo que ele pudesse compartilhar com ela. Ela iria catar até mesmo as migalhas sob a mesa, qualquer coisa para encontrar liberdade para sua filha. E ela ganhou um presente que foi além da mera saúde de sua filha. Sua identidade como filha de Deus foi reconhecida, estava atenta por aprender. Se nós, por acaso, nos encontrarmos na situação de precisar ajuda e virmos pedras bloqueando o caminho, podemos ainda assim verificar que esses blocos podem servir para a cura. Como Eddy coloca: “Aquela mesma circunstância que teu senso sofredor considera ameaçadora e aflitiva, o Amor pode converter em um anjo que acolhes sem o saberes” (CeS, p. 574). Sede humildes; sede persistentes.

Seção 6: A linguagem do Espírito é entendida por todos.
Quando pensamos em orar, muitas vezes pensamos em nossas necessidades, o que estamos por pedir ao Espírito. Mas quando estamos em silêncio. Ouvimos o que o Espírito está dizendo. Compreendemos a mensagem do Espírito porque somos do Espírito; tal como ser de certa nação onde crescemos falando a língua daquela nação, a “nação” do Espírito é universal, à qual todos pertencem. Se pensamos que “nunca ouvimos a Deus”, pode ser porque, de algum modo, tenhamos definido como Deus/o Espírito fala conosco. Há algum tempo, compartilhei uma cura em que meu filho de 8 anos se queixava, choroso, de que nunca ouvia Deus falar com ele, enquanto seus amiguinhos o faziam. Estava ressentido com algumas verrugas doloridas na planta dos pés, para as quais ele gostaria de ter uma cura. A questão era compreender que o Espírito fala em tudo o que é bom ao nosso redor, tudo o que é belo, amável, inteligente e assim por diante; de modo que ele começou a identificar as infinitas maneiras em que ouvimos a voz de Deus. Sim, às vezes realmente ouvimos algo como uma voz nos guiando, mas o mais frequente é como diz um antigo hino cristão que fala de Deus da seguinte maneira: “...no farfalhar do capim, ouço Ele passar, Ele fala comigo em toda parte” (Este é o Mundo do Pai). Certa feita em que meu filho e eu estávamos observando e destacando com regularidade nos diversos modos em que podemos ouvir a Deus na vida diária, ele percebeu que sua identidade não poderia incluir qualquer tipo de crescimento inconveniente. As verrugas desapareceram. O senso espiritual está em todos nós, mas nós podemos cultivá-lo, sermos conscientes do Espírito, aumentar nossa capacidade de discernir a presença do Espírito, de compreender o Espírito!

Seção 7: O Espírito nos conhece porque somos filhos do Espírito.
Geralmente, não surpreende que um pai conheça seu filho. O Espírito nos conhece (como diz o Texto Áureo), porque somos Seus filhos. As citações B25 (Rom 8:16) e CS30 (p.29) afirmam esse fato. Como ideias espirituais somos o “fruto”, ou “[…] a evidência de que o Espírito é harmonioso e o homem, eterno.” Como filhos do Espírito não somos criançolas, mas sim inocentes, receptivos, naturalmente bons e mentalmente espiritualizados. Somos a prova real de que o Espírito está aqui, e em toda parte.
_________________
Este estudo metafísico foi preparado por Kerry Jenkins, CS, House Springs, MO, EUA, (314) 406-0041 kerry.helen.jenkins@gmail.com
A equipe de tradução para o português é composta por Ana Paula Wagner, Dulcinea Torres, Elisabeth Z. Friedrichs, Leila Kommers e Ovídio Trentini.. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, para baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será postado, no link abaixo, na 2a. feira. Sua tradução para o português será postada até a 4ªfeira. Busque e leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

This is the day the Lord hath made! - ... examples in the third, fourth, and fifth sections...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page