Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Olhem para além do Temporal ao Eternal. Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: É o Universo, que inclui o homem, evoluído pela força atômica?

Craig L. Ghislin, C.S., Glen Ellyn (Bartlett), IL
Posted Monday, December 11th, 2017

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

Olhem para além do Temporal ao Eternal

11 - 17 de dezembro de 2017

É o Universo, que inclui o homem, evoluído pela força atômica?
__________________________________________________
Abreviações: Bíblia – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS; Lição Bíblica – LB
__________________________________________________

Como você responderia à pergunta publicada no tema da lição desta semana? Seu modo de responder está diretamente ligado a como você conduz sua vida, como enfrenta desafios, e tem influência direta no êxito de seus esforços. Obviamente a resposta bíblica ao tema da lição é um enfático: “NÃO!” James Moffat traduz o Texto Áureo (Salmos 24:1 – Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam”): “A terra pertence ao Eterno, e tudo o que nela se contém, o mundo e seus habitantes.” Notem que Moffat usa a palavra “Eterno” para Deus, significando sem começo e sem fim—totalmente fora do reino do tempo. Eis um ponto-chave. Muito raciocínio a respeito de teorias de origens e/ou evolução está baseado em cronologias. Mas Deus não está numa linha cronológica, assim como nós também não estamos.
Os versículos da Leitura Alternada (Jeremias 10:10-13, 23; Jó 18:1, 4, 31-33 36; 42:1, 2) tem a clara intenção de declarar que Deus é o único poder no universo. Há os que se chamam “deuses”. Mas estes não têm poder duradouro. A crença em outros deuses vai e vem, como ocorre com as opiniões e teorias das origens da vida e do universo. Deus, contudo, é constante, estabelecendo tudo o que é real por meio de Seu poder, sabedoria e discrição.
Quando Ele faz ouvir a Sua voz—fala sua PALAVRA ou, tem uma ideia—isso instantânea e eternamente existe pois para Deus só existe o eterno agora. O que nós pensamos sobre o “tempo” é nada mais do que uma fabricação humana—uma armação inventada pelo homem. Mesmo sendo Deus o único poder, a humanidade tende a pensar que consegue agir por conta própria. Quando as coisas vão bem as pessoas não sentem necessidade de Deus, e às vezes até ignoram que Ele exista. Pela antiga visão teológica sobre Deus, isso até é compreensível. Mas Deus é muito mais do que isso.
Os versículos do livro de Jó expressam a audácia que é para os homens presumirem que sabem mais do que Deus, ou que saibam como o universo veio a existir. Veremos nesta lição que tudo o que os homens pensam ver, na realidade são seus próprios pensamentos, e que fazem a história a seu bel-prazer. O personagem Jó, finalmente percebe o que o salmista fez. Deus faz tudo o que está feito, e nada pode existir que não seja ordenado por Deus.

Seção1: Onde você estava quando a criação começou?

A Bíblia nitidamente apresenta o ponto de vista de um universo criado por Deus. Ele nos criou, “não nós a nós mesmos” (B1, Salmo 100:1-3). O teólogo do século XIX, Albert Barnes (1798-1870) afirma a questão a favor de Deus do seguinte modo: “O fato de que Ele [Deus] seja o criador prova de que Ele é Deus, posto que ninguém, a não ser, Deus pode realizar a obra da criação. O mais alto conceito de poder que possamos formar é o que se evidencia em um ato de criação.” O apóstolo João começa seu evangelho com uma afirmação de Deus como criador, além de explicitamente declarar que nada foi feito a não ser o que Deus fez (B2, João 1:3, - “sem ele, nada do que foi feito se fez”).
Isaías coloca dúvidas aos que ousam presumir que saibam como o homem e o universo vieram a existir (B3, Isaías 40:13, 14, 21, 25, 26). Parafraseando: “Quem disse a Deus como fazer isso? A quem Deus pediu ajuda? Há alguém mais sábio que Deus para dizer-lhe como criar? Já não vos é relatado o tempo todo? Não prestaram atenção? Continuam fazendo as mesmas perguntas desde o começo e se recusando a aceitar a inevitável conclusão? Quem se iguala a Deus? Parem de olhar para a matéria esperando respostas. Levantem os olhos para as coisas espirituais a fim de reconhecer o Criador. Ele conhece o íntimo de cada uma de Suas ideias, e por refletirem Seu poder, elas não podem falhar.”
Nosso livro-texto começa esta seção citando João: “ ‘Todas as coisas foram feitas por intermédio dEle [o Verbo divino], e sem Ele, nada do que foi feito se fez’. Essa é a eterna verdade da Ciência divina” (CS1, p. 480). Como vimos “eterno” significa fora do reino do tempo, e “verdadeiro” significa a verdade. Este é um ponto-de-partida fundamental na CC. Se Deus não fez algo, este nunca foi feito. A CC não sonda a história material (CS2, p. 547). Isso porque a história material é totalmente subjetiva. Já mencionei o livro Biocentrismo, pelo Dr. Robert Lanza e Bob Berman, algumas vezes no ano passado. Diversas de suas ideias têm alguma conexão com tópicos de lições recentes. Podem lembrar-se de os autores argumentam que o tempo não é sequencial, e que não há objetivo externo fora da história humana. Aliás, pensam que o próprio tempo não é mais do que uma invenção humana. O que chamamos de história seja uma moldura desenvolvida no presente à medida que as teorias avançam.
Eis o que eles dizem à pag. 94 da sequência: Beyond Biocentrism [Além do Biocentrismo]
[…] Neil Bohr, o grande físico Premio Nobel, disse: “Quando medimos alguma coisa estamos forçando um mundo indeterminado e indefinido a assumir um valor experimental. Não estamos ‘medindo o mundo’, estamos, sim, ‘criando-o’.
A Teoria da Evolução torna-se um caso perfeito. Surpreendentemente tudo faz sentido se assumirmos que o big bang é o final da corrente da causalidade física, e não o começo.
[…] O passado começa com o observador, nós, não ao contrário como fomos ensinados.
Como já mencionei antes, o Biocentrismo também afirma que a vida cria seu próprio universo para atender necessidades e condições específicas, em vez do universo evoluir a vida. ACC dá um grande passo adiante, e afirma, inequivocamente, que “Deus cria e governa o universo, que inclui o homem” (CS3, p. 295). Em Isaías vimos que por ser Deus forte em poder“ nem uma só vem a faltar” (B3, Isaías 40:26). Isso é assim porque o homem é o reflexo de Deus. Já mencionei, um reflexo existe na mente do observador. Deus é o verdadeiro observador, e o que Ele vê é a criação—sua ideia. Essas ideias são “abrangidas na Mente infinita e são para sempre refletidas” (CS4, p. 502). Tudo o que existe, ocorre em Deus. “A causalidade espiritual é a única questão a considerar (CS5, p. 170). Isto é essencialmente importante quando percebemos que o que chamamos “o presente” resulta diretamente da compreensão de nossa origem.

Seção 2: O visível e o invisível

Pessoas com mente espiritualizada veem, por meio da fé, o que o olho não pode ver (B4, Hebreus 11:3). A.W. Pink (1886-1952), um professor inglês da Bíblia, faz uma observação interessante sobre esse versículo:
“Talvez possamos ilustrar do seguinte modo: dois homens parados no deck de um navio olham para o horizonte; um não vê nada, o outro descreve detalhes de um navio distante. O primeiro tem a vista desarmada, o segundo usa um telescópio! Agora vejam, assim como uma poderosa lente de vidro traz à vista um objeto fora do alcance natural, assim a fé dá realidade ao coração, de coisas fora do alcance dos sentidos físicos. A fé põe as coisas Divinas diante da alma em total luz e poder da demonstração, e assim provê convicção interna de sua existência.”
O uso por Pink da palavra ‘demonstração’, me chamou a atenção. A fé é essencial à demonstração, e a demonstração encoraja/reforça nossa fé. Paulo focou nas coisas invisíveis baseado na demonstração tangível de cura e redenção. Ele explica: “[atentamos] nas coisas “que se não vêem “porque são eternas—existem fora de um prazo linear.” As coisas que se veem são temporais”—e existem dentro de um prazo linear (B5, 2 Cor. 4:18). Paulo inclui a crença de um corpo entre as coisas que se veem (B6, 2 Cor. 5: 1-8). Sua intuição espiritual lhe diz que o que parece ser um corpo não é a realidade. Ele sabe que há um senso espiritual de si mesmo que ao final ele verá e compreenderá; e ele suspira, não querendo esperar pela vida após para vivenciar esse corpo. Ele raciocina que se morrer antes de ser revestido nesse corpo espiritual, acabaria numa situação incerta. Sua fé lhe diz, no entanto, que a realidade espiritual é o desígnio de Deus.
Nossa Líder aceitou o preceito bíblico de que coisas espirituais (que existem independentes do tempo) são substanciais, e coisas materiais (que existem no tempo) são insubstanciais (CS6, p. 335). O dicionário Student’s Reference Dictionary define “substancial” como ‘real’ e ‘realmente existente’. Deus cria essa realidade. “Criar” como usado na Bíblia, significa fazer algo onde antes não havia nada. Não é evolução, é uma instantânea chegada à existência, plenamente formada e perfeita desde o começo. As teorias materiais geralmente assumem que as coisas comecem materialmente, e gradualmente evoluam para a vida. Esta teoria é “inteiramente contrária à CC” (CS7, p. 545).
Eddy chama o universo e o homem visíveis como “falsificações malfeitas” (CS8, p. 337). Ela retrata os pensamentos de Deus—verdades eternas—como reais, e as “coisas temporais” como “pensamentos de mortais”. Essa é a chave. Voltando os olhos ao Biocentrismo, os autores afirmam que o que parece um universo externo só existe na mente do observador. A CC explica que essa ‘mente’ a que os autores se referem é a mente de um mortal—que acredita que o que pensa e vê seja objetivamente real. Mas na CC esse observador mortal não está vendo nada mais do que mentiras, desde o começo.
As teorias do biocentrismo explicam a estrutura do universo de acordo com o senso material; mas só a CC o explica espiritualmente, revelando “coisas que ‘nem olhos viram’ “ (CS9, p. 553). A questão levantada no livro-texto: “como a crença pode afetar o resultado que precede o desenvolvimento dessa crença”, vemos que o pensamento não é formado pela matéria, ou uma mente material. Deus é a única Mente, e o quem Deus conhece, isso existe. “Deus expressa no homem a ideia infinita que perpetuamente se revela [...] A Mente manifesta tudo o que existe na infinidade da Verdade” (CS10, p. 258).

Seção 3: O homem é concebido por Deus
Não importa o que possamos pensar ou dizer sobre a procriação humana, Deus é o único criador. A citação em B7 (Isaías 45:11) foi lida de maneiras diferentes. Algumas traduções e comentaristas tornam esta uma questão em que Deus basicamente diz: "Como você se atreve a questionar minhas intenções?" Mas outros veem como dar aos filhos de Israel que todas as questões relativas à criação deveriam ser direcionadas somente a Deus. Para nossos propósitos, podemos simplesmente dizer; não se surpreenda com o que Deus pode fazer, porque Ele faz tudo o que é, ou pode ser feito.
A narrativa de Zacharias e Isabel (B8, Lucas 1:5,11-14,16,18,19,24,25,57,58) indica que Zacarias pode ter ficado um pouco incrédulo com a mensagem do anjo devido à idade avançada do casal. Como já vimos, o homem real existe eternamente não temporariamente. Então a idade é irrelevante. O mensageiro que entrega esta notícia surpreendente a Zacharias é o anjo Gabriel. Nossa Líder define "anjos" como "os pensamentos de Deus passando para o homem" (CS13, p. 581). Os pensamentos de Deus estão operando no eterno agora, em vez de uma linha de tempo humana, desse modo eles veem todas as coisas ao mesmo tempo. Os anjos revelam fatos até agora invisíveis em uma perspectiva humana limitada, de maneira semelhante à que a analogia de Pink descreve o sujeito com o telescópio - vendo mais do que uma pessoa poderia sem o uso daquele instrumento.
Note-se que Zacarias recebeu sua visão angélica no templo enquanto servia a Deus. Também é digno de nota que a mensagem do anjo indica que o casal estava orando pela aparente esterilidade de Isabel. Albert Barnes ressalta que naqueles dias o desejo por uma criança era "um desejo intenso". Ele continua: "Nenhuma perspectiva era mais sombria para eles do que a de morrer sem filhos, o que faria com que seu "nome perecesse".
As “Anotações de Matthew Poole da Bíblia Inglesa” iluminam a situação do ponto de vista de Isabel. Ele escreveu que havia uma expectativa de que uma mulher judaica da tribo de Judá e a Casa de Davi dariam um Messias; e dado o fato de que Deus prometeu que a semente de Abraão seria tão grande quanto o pó e as estrelas, uma mulher estéril não poderia contribuir com nada para cumprir a promessa de Deus. À luz desta pressão, Isabel sentiu-se como uma filha da casa de Davi, o anúncio do anjo de que sua oração é respondida é um evento profundamente significativo.
Alguns podem achar que a concepção de crianças é uma questão de chance e probabilidade. Mas relatos tais como o nascimento de João nos lembram de que só Deus "reúne pensamentos não formados em seus canais adequados" (CS12, p. 506). Tudo o que existe é concebido pela primeira vez em mente como ideia. E essas ideias, como o Logos, ou PALAVRA, estão totalmente completas na Mente, e se manifestam de acordo com o reconhecimento de Deus sobre elas. Reconhecemos essas ideias como nossa visão espiritual, e a compreensão de Deus e da criação torna-se mais clara.
Nosso livro texto afirma claramente que as reflexões da Mente são "espiritualmente concebidas e produzidas" (CS14, p. 303). As condições materiais de concepção não têm nada a ver com o desenvolvimento das ideias de Deus. O livro Ciência e a Saúde afirma enfaticamente: "Na Ciência, o homem é descendente do Espírito" (CS15, p. 63). O termo "Na Ciência" é outra maneira de dizer: "Na realidade". O homem de Deus não é o produto da reprodução humana, nem ele viaja numa linha de tempo humana. "O Espírito é a sua primitiva e última fonte de ser". Isso significa que ele começa onde ele termina. O tempo não é um fator, e o homem nunca é menos do que Deus o fez ser.

Seção 4: Uma questão de autoridade
Muito do que os israelitas pensavam e faziam estava ligado à procedência. Os israelitas apresentaram uma forte tendência a procurar alguma conexão com grandes pensadores do passado para reivindicar autoridade. Como Cientistas Cristãos, devemos ter cuidado com isso também. Em última análise, todos nós temos um professor, uma Autoridade, um Poder e uma Fonte.
Essa inclinação para a procedência ou progênie é evidente no questionamento de João Batista. O Sinédrio não lhe enviou mensageiros de baixo nível; eles enviaram "sacerdotes e levitas" (B10, João 1:19-23). O estudioso bíblico do século XVIII, John Gill (1697-1771) observa que mesmo aqueles enviados eram de linhagem elevada. Ele escreve: "Uma mensagem de uma assembleia tão augusta, a uma distância tão grande, (pois o Jordão estava a uma jornada de um dia distante de Jerusalém, de acordo com Josefo, eram quarenta e dois quilômetros), e através de pessoas de tal caráter e figura, estavam dando a João uma grande honra (sic.)". Em resposta, João esclareceu que ele não era o Cristo, nem um profeta ressuscitado. No entanto, ele citou os profetas como predizendo sua missão.
Dado o status de João como precursor de Jesus, parece um pouco estranho que o próprio João enviasse mensageiros a Jesus perguntando se ele era realmente o Messias (B11, Mateus 11:2-5). Alexander MacLaren (1826-1910), teólogo escocês e contemporâneo da Sra. Eddy, apresenta um ponto de vista da resposta de Jesus a João que se enquadra bem no conceito de origem. Ele escreve:
"O significado mais profundo da resposta é que o amor, a piedade, a cura, são os sinais verdadeiros, não a energia judiciosa, vingadora e destrutiva. João queria a iluminação; Cristo disse a ele que o sol silencioso exercia energia, e que o clarão mais ardente é fraco. Precisamos da lição, porque somos tentados a exaltar a força acima do amor, se não em nossos pensamentos sobre Deus, mas ainda em olhar e lidar com homens; e somos lentos em aprender os ensinamentos de Belém e do Calvário, de que as coisas divinas em Deus e o poder mais forte entre os homens é amor gentil, piedoso e abnegado ".
O Sinédrio, era governado pelo medo e pela dominação. A autoridade de Jesus estava no poder do Amor.
A fundadora da Ciência Cristã sabia bem que o poder de cura do Amor possui autoridade infinita, enquanto as crenças materiais - desfilando como lei - são impotentes. Ela ressalta que Deus é o único poder de cura (CS16, p. 27). O trabalho de cura de Jesus anulou a ameaça de punição por violar leis materiais (CS17, p. 381) e anulou a própria lei material. Ela diz que se Deus permitisse leis materiais, Jesus não as teria desconsiderado (CS18, p. 227).
Nós simplesmente não temos nada a temer das chamadas leis materiais. A lei de Deus é a única autoridade que existe. A saúde, a felicidade e a existência do homem não são derivadas nem sustentadas por leis materiais. Tudo no universo é evoluído a partir do Espírito, como tudo o que somos e temos (CS19, p. 69). A Sra. Eddy diz que veremos os fatos do ser na proporção em que abandonarmos a crença de que a vida e a inteligência estão na matéria. (CS20, p. 279).

Seção 5: Deus é a fonte de todas as coisas boas
Jesus estava ciente de que aqueles que reivindicavam autoridade muitas vezes usavam seu poder e negligenciavam seu dever para com o povo. Consequentemente, as pessoas eram como uma ovelha perdida sem um pastor. O Mestre assumiu o papel de Pastor para o povo e exerceu o papel de autoridade e responsabilidade que veio com ele. Além de seu trabalho de cura e redenção, ele também conheceu necessidades maiores. Um exemplo disso é a alimentação dos cinco mil (B12, Marcos 6:34-44).
Alguns comentaristas tentaram explicar este evento postulando que a generosidade de Jesus e seus discípulos compartilhando seus escassos suprimentos inspiraram o resto da multidão a fazer o mesmo. Mas para a Sra. Eddy, esta foi uma prova clara de que as leis materiais da propagação são anuladas pelo reconhecimento da realidade divina das coisas. Jesus naturalmente ficaria inclinado a desconsiderar todas as leis materiais que ele enfrentava, especialmente devido às condições de seu nascimento. Sua própria presença era prova de que as condições materiais não eram necessárias para a procriação.
É claro, porém, que Jesus não estava alimentando a multidão apenas para provar seu domínio sobre a crença material. Ele foi motivado pela compaixão cristã que proporcionou o poder de atender às necessidades do povo. Depois de se sentarem, ele agradeceu e abençoou a comida, sabendo que Deus era a única fonte de tudo o que é real e bom. Ele deu aos discípulos para distribuir, e todos foram atendidos.
Alguns chamam a isso de milagre. Mas a Sra. Eddy considerou uma demonstração natural da “lei imutável de Deus” (CS21, p. 135) Tudo o que Jesus fez era um ato que provava o domínio da Ciência sobre as leis materiais (CS22, p. 273). Como percebemos anteriormente, o pensamento precede a manifestação, mas no instante em que o pensamento surge, a manifestação se realiza (CS23, p. 89). Isso não demora dias, meses, anos, séculos, milênios. Deus concebe e aí está.
O que Deus concebe é real e substancial. Jesus entendeu o que era real, o que lhe permitiu multiplicar os pães e peixes. Nosso livro texto nos diz que a compreensão é a linha entre o real e o irreal - o que Deus faz e o que Ele não faz (CS24, p. 505). Nenhum evento que ocorre no universo acontece sozinho. "A verdadeira jurisdição do mundo está na Mente, que controla todo o efeito e reconhece que toda a causalidade pertence à Mente divina" (CS25, p. 379).
A Mente Divina é o único criador. "A Mente divina é Tudo e reproduz tudo", mas não materialmente (CS26, p. 507). Não há matéria e ela nunca é produzida. Não é nem mesmo uma coisa. É um pensamento - uma maneira falsa de encarar a realidade. Tudo o que a Mente produz é espiritual e é governado pela lei espiritual. Eu amo a autoridade e o poder nesta afirmação: "A única inteligência ou substância de um pensamento, de uma semente ou de uma flor é Deus, seu Criador". Essa é a PALAVRA feita em carne, a vida evoluindo e produzindo sua própria ideia e mantendo as condições para o seu próprio ser.

Seção 6: Deus é supremo
Não importa quantas teorias surjam sobre as origens do homem e do universo, o fato é que existe uma única verdade. Todo mundo descobrirá mais cedo ou mais tarde que a matéria não é a realidade exterior que parece ser. A matéria nunca foi feita, e tudo o que realmente existe é uma ideia na Mente, Deus. Não é uma escolha - é um fato - e nenhuma opinião humana pode mudar isso (B13, Isaías 14:27). O salmista promete considerar cuidadosamente a natureza de Deus e orar para ter o véu das trevas e da ignorância de Deus removido para que possa contemplar as maravilhas da criação espiritual (B14, Salmos 119:12,15,18).
O profeta prevê um tempo em que toda a terra será preenchida com esse mesmo conhecimento espiritual (B15, Habacuque 2:14). O livro das Primeiras Crônicas convida todas as pessoas da Terra a reconhecerem a suprema autoridade e poder criativo de Deus, e reconhecem que Deus reina sozinho (B16, 1 Crôn. 16:28,31).
Nosso livro texto nos diz: "Só a evolução espiritual, é digna da aplicação do poder divino" (CS27, p. 135). Deus, o poder supremo do universo, é tudo o que existe. Nenhuma outra força ou causa existe (CS28, p. 143). Nenhuma opinião humana pode afetar a realização inevitável da Ciência do ser. Todos os dados, análises e teorias das origens da vida e do universo são apenas “balelas”. O que parece ser um universo material não é assim. Tudo precisa ser visto com o véu da materialidade removido, de modo a descobrir a realidade espiritual das coisas (CS29, p. 209).
Nossa Líder nos diz que, à medida que ganhamos uma visão melhor de Deus e do homem, "inumeráveis objetos da criação, que antes eram invisíveis, se tornam visíveis" (CS30, p. 264). Já refletimos essa afirmação antes. Talvez ela estivesse se referindo a invenções e avanços tecnológicos. Pois estamos observando regularmente inúmeros objetos que não conhecíamos antes. Todas essas invenções começaram como ideias. As ideias são reais, e talvez seja por isso que eles dizem: "Se você pode sonhar, você pode construir." Agora, dê um passo adiante e perceba que tudo é pensado internamente sem o objeto e não o contrário – então as possibilidades são verdadeiramente infinitas. Quando percebemos que a matéria está completamente fora da situação que se apresenta, e que a Vida é o Espírito, Deus, nossa compreensão expandirá não por seu próprio poder, mas através do poder divino, na autoplenitude e isso será tudo o que precisamos.
_________________
Este estudo metafísico foi preparado por Craig L. Ghislin, C.S., Glen Ellyn, Illinois (Bartlett), craig.ghislincs@icloud.com, +1(630) 830-8683.
A equipe de tradução para o português é composta por Ana Paula Wagner, Dulcinea Torres, Leila Kommers, Ovídio Trentini e William Trentini. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será postado, no link abaixo, na 2a. feira. Sua tradução para o português será postada até a 4ªfeira. Busque e leia o texto em inglês em http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

This is the day the Lord hath made! - ... examples in the third, fourth, and fifth sections...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page