Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Descubra a verdadeira adoração. Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: O Sacramento.

Christie Hanzlik, C.S., Boulder, CO
Posted Monday, January 6th, 2020

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

Descubra a verdadeira adoração

6 a 12 de janeiro 2020

O Sacramento

Estudo preparado por:
Christie C. Hanzlik, CS Boulder, CO, EUA
ccern@mac.com • christiecs.com
__________________________________________________
Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia A Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB
__________________________________________________

Atos sacramentais afirmam nossa conexão a Deus. Atos de sacramentos tipicamente incluem o humilde ajoelhar-se, tomar comunhão, ou outras formas de adoração. Quando partimos da premissa de que somos inseparáveis de Deus, como um raio de luz é inseparável do sol, vemos que esses atos não são o que nos conecta a Deus. Em vez disso, esses atos servem para nos lembrar de nossa inata e verdadeira união com Deus. Um reflexo não precisa de rituais ou atos para estar mais conectado ao espelho ... ele já está ligado. De fato, o reflexo não existe sem o espelho; e o espelho não reflete sem o objeto—eles são inseparavelmente ligados por definição. A relação entre espelho e reflexo é o que dá significado e existência a ambos. De igual modo, somos o ser, a expressão, de Deus. Sem Deus não teríamos a fonte original, assim como sem ser expresso pelo homem (genericamente falando) Deus não teria entidade (CS, p. 470). Deus e o homem são inseparáveis.
Assim, conquanto não precisemos de rituais ou atos para nos conectarmos a Deus, há meios em que podemos adorar e mostrar nosso afeto, os quais tornam nossa conexão sentida mais profundamente. Para mim a Lição desta semana sobre Sacramento enfatiza que uma adoração expressiva atua como um aprofundamento de nossa compreensão de nossa inseparável relação com Deus.
O Texto Áureo (1Crô. 16:29: “Tributai ao Senhor a glória devida ao seu Nome; trazei oferendas e entrai nos seus átrios; adorai o Senhor na beleza da Sua santidade”, nos encoraja a dar a Deus/Amor oferendas, e adoração (ou verdadeiro amor) na beleza de sua santidade. Ele descreve como nós, ‘‘povo do Seu pasto”, podemos adorar o Pastor de modo significativo:
“Vinde, adoremos e prostremo-nos
Ajoelhemos
Rendamos graças ao Senhor
Invoquemos o seu nome
Façamos conhecidos entre os povos os seus feitos
Gloriemo-nos no seu santo nome
Alegre-se nosso coração que busca a Deus
Busquemos o Senhor e seu poder
Busquemos perpetuamente a sua presença
Lembremo-nos perpetuamente da sua aliança
Cantemos ao Senhor todas as terras”

Seção 1: Verdadeira adoração
A primeira seção inclui mais instruções de como podemos “exaltar o Senhor” e adorar significativamente (B1, Salmos 99:9). Recebemos uma lista de meios nos quais podemos mostrar amor e honra a nosso Pastor: 1) agir com justiça, 2) amar a misericórdia, 3) andar humildemente com teu Deus (B2, Miq. 6:8). Praticar essas coisas é adorar.
Quando adoramos—‘em palavras ou ações’—estamos dando graças, como Jesus o fez, a nosso Pai, o Amor divino, a Verdade divina (B5, Colos. 3:17).
A verdadeira adoração, é reconhecer nossa união com Deus da maneira em que Cristo Jesus, nosso guia, ensinou. Como MBEddy escreve: “Nós adoramos [de modo ilimitado] somente quando cessamos de adorar (de modo limitado]” (CS1, p. 140). A verdadeira adoração é feita por meio de “viver e felicidade espirituais”’ (CS6, p. 264).

Seção 2: Verdadeiro sacrifício
A segunda seção enfatiza diferentes aspectos de ‘sacrifício’, uma forma de sacramento. Com um sacrifício verdadeiro, em ver verdade, ganhamos mais do que oferecemos. Como Eddy escreve: “perda é ganho”, querendo dizer que ao perdermos o senso limitado de algo, ganhamos um tanto mais—um verdadeiro senso ilimitado. Verdadeiro sacrifício não tem nada a ver com um ritual, ou ‘holocausto’, mas tem tudo a ver com abandonar um senso humano de vontade, cedendo à vontade divina—
“Sacrifícios a Deus são espírito quebrantado: Coração compungido e contrito...” (B7, Salmos 51:15-17).
Podemos entregar todo nosso ser à Mente infinita, que sabe mais a nosso respeito do que nós mesmos. Podemos abandonar nossas ideias preconcebidas a nosso respeito. Como lemos em Romanos (12:1,2): “Não imiteis o comportamento e os costumes deste mundo, mas deixai que Deus vos transforme em uma nova pessoa mudando vossa maneira de pensar” (tradução livre). Deixar uma visão limitada de nós mesmos para deixar que Deus nos transforme, isso é verdadeiro sacrifício. Perda é ganho. Se desejarmos a santidade (a isenção da vontade própria) acima de tudo, tudo sacrificaremos por ela”
O esforço e desejo de servir a Deus de um modo mais e mais puro é um sacrifício diário da vontade humana. Podemos ter agora mesmo esse “desejo e motivo de viver retamente”. Quando fazemos isso, nosso caminho se abre e podemos ver agora mesmo o “propósito e o motivo de viver retamente” de nossa existência. Na medida em que sacrificamos um senso limitado do existir, podemos alcançar uma visão cada vez maior e mais ampla de nossas capacidades infinitas (CS10, p. 10; CS11, p. 506; CS12, p. 326).

Seção 3 — Verdadeiro Batismo
A terceira seção enfatiza o batismo, outra forma de sacramento. Eddy explica: “Nosso batismo é a purificação de todo o erro.” (CS15, p. 35) Gosto de pensar sobre o batismo como sendo lavada, purificada de qualquer sujeira que possamos estar levando conosco ou pensamentos que não precisamos.
Em Marcos, podemos ver o contraste entre João Batista, que batizava com água, e o batismo que Jesus oferece - “ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo” (B9, Marcos 1:4,7-11). Jesus nos batiza com as ideias puras da Verdade e Amor que limpam as impurezas, arrependimento, ressentimento, remorso, dúvida, raiva, etc (B9). Conforme aceitamos o batismo renovador que Cristo Jesus oferece, podemos sentir como se estivéssemos uma perspectiva completamente nova, um novo entendimento da nossa verdadeira natureza. Somos lavados. Conforme Eddy diz: “O batismo do Espírito, limpando o corpo de todas impurezas da carne, significa que os puros de coração enxergam a Deus e estão se aproximando da vida Espiritual e sua demonstração” (CS17, p. 241).

Seção 4 — Verdadeira Eucaristia
A quarta seção aprofunda nosso entendimento da Eucaristia, uma forma de sacramento. Em muitas igrejas, a Eucaristia é uma cerimônia cristã que comemora a Última Ceia, onde pão e vinho são consagrados e consumidos. No livro Ciência e Saúde, Eddy se aprofunda no significado inspirado do pão e do vinho, e no ato simbólico do sacramento que Jesus tem com seus discípulos na última ceia. Ela explica: “O verdadeiro sentido estará perdido espiritualmente, se o sacramento for limitado ao uso do pão e do vinho. Os discípulos já tinham comido, mas mesmo assim Jesus orou e deu-lhes pão. Isto seria uma tolice num significado literal; mas no seu sentido espiritual, foi natural e lindo. Jesus orou; ele se retirou dos sentidos materiais para refrescar seu coração com perspectivas mais luminosas e espirituais”. Conforme somos instruídos em Coríntios: “celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade” (B14, 1Coríntios 5:8).
Os Cientistas Cristãos participam da Eucaristia? Sim. “Nossa Eucaristia é comunhão espiritual com o Deus uno. Nosso pão, ‘que desce dos Céus’, é a Verdade. Nosso copo é a cruz. Nosso vinho é a inspiração do Amor, a bebida que nosso Mestre tomou e louvou para seus seguidores” (CS22, p. 35). A Eucaristia, ou comunhão, não é simplesmente um evento singular, e nem uma cerimônia semanal, mas sim é algo que devemos fazer a cada momento. Conforme aceitamos nossa Eucaristia e tomamos ela completamente, “bebemos do seu copo, dividimos seu pão, somos batizados na sua pureza; e por fim descansaremos, sentaremos com ele, em completo entendimento do Princípio divino que triunfa sobre a morte” (CS23, p. 31). Buscar experienciar somente a sinceridade e a verdade, isto é a verdadeira Eucaristia.

Seção 5 — O Sacrifício de Cristo Jesus
A quinta seção explora o sacrifício que Cristo Jesus fez por nós na cruz. Através da sua demonstração de que o crucifixo não pode deter o Cristo, testemunhamos a eternidade da vida. Desde seu sacrifício, todos podemos testemunhar que o Cristo - o verdadeiro entendimento e consciência da presença eterna do Amor - não pode ser parado. Jesus nos amou tanto que ele deu sua vida por nós, para que possamos ver que a Vida é imortal. O “intenso sacrifício humano” de Jesus foi para testemunharmos a vida eterna, e mostrou seu grande amor por todos nós, pois “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (B17, João 15:13; CS25, p 54).
Felizmente não nos encontraremos em nenhuma cruz literalmente, mas geralmente nos encontramos em situações que podem parecer como a cruz tais como dificuldades, traição, sofrimento, miséria, etc. E, como Eddy escreve: “mas temos de trabalhar nossa salvação da maneira que Jesus ensinou” (CS26, p. 30). Veja que ela não diz que devemos tentar a salvação, ou que temos uma escolha. De fato, ela escreve: “Não podemos escolher como trabalhar pela nossa salvação, mas temos de trabalhar da maneira que Jesus ensinou” (CS26). Mas o que significa isso? Como podemos fazer o “intenso sacrifício humano”? Seguir o caminho como Cristo Jesus ensinou, e soltar do sentido limitado da nossa existência é o sacrifício. Podemos fazer isso conforme “Que o desprendimento do ego, o bem, a misericórdia, a justiça, a saúde, a santidade, o amor — o reino dos céus — reinem em nós, e o pecado, a doença e a morte diminuirão até finalmente desaparecerem” (CS28, p. 248). Colocando de maneira simples, perda é ganho.

Seção 6 — A promessa do sacrifício efetivo
A seção 6 expande a idéia de sacrificar um sentido limitado de existência por uma perspectiva maior e mais expandida. Essa seção usa o exemplo dos discípulos soltando seus sentidos limitados sobre seu Mestre, Cristo Jesus, e enxergando seu verdadeiro ser na ressurreição. A princípio eles não conseguiam nem sequer reconhecer ele por causa das suas percepções limitadas, mas por fim “eles mudaram de método, deixaram para trás as coisas materiais, e lançaram a rede para o lado direito” (B18, João 21:1-6,9,12; CS29, p. 34).
Podemos nos perguntar, que perspectiva limitada (mortal) parece nos bloquear de ver a presença do Cristo mais integralmente? Estamos dispostos a soltar? Estamos dispostos a soltar de um sentido de existência limitado e deixar que Mente divina revelar a nós um sentido mais pleno e palpável da presença do Cristo? Estamos dispostos a lançar a rede para o lado direito, e trazer multidões de peixes - incríveis insights e consciência? (B18)
Para venerarmos mais efetivamente, podemos nos curvar diante do Cristo. Nos inclinar humildemente significa soltar do sentido limitado humano e sermos dispostos a desistir da nossa vontade humana limitada. Podemos “nos inclinar perante o Cristo, a Verdade, para receber mais da sua reaparição e comungar silenciosamente com o Princípio divino, o Amor” (CS29, p. 34).
Cada seção dessa lição explorou uma faceta do sacramento. E, a citação final na lição nos deixa com uma forte visão do que é possível quando tomamos o sacramento da maneira mais plena possível: “Se todos aqueles que alguma vez tenham participado do sacramento tivessem realmente comemorado os sofrimentos de Jesus e bebido de seu cálice, teriam revolucionado o mundo. Se todos os que procuram comemorá-lo com símbolos materiais tomarem a cruz, curarem os doentes, expulsarem os males e anunciarem o Cristo, a Verdade, aos pobres — ao pensamento receptivo — trarão o reino dos mil anos” (CS30, p. 34).

______________

A equipe de tradução para o português é composta por Ana Steffler, Ovídio Trentini e William Trentini. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

Choose God’s law, take your case to the court of Spirit, and be free! - Overview:...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page