Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Busque sua unidade inseparável com Deus, à medida que você é elevado e atraído pelo Amor eterno! Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: A Doutrina da Expiação.

Kathy Fitzer
Posted Monday, October 12th, 2020

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

[Busque sua unidade inseparável com Deus, à medida que você é elevado e atraído pelo Amor eterno!]

12 a 18 de outubro de 2020

A Doutrina da Expiação

Estudo preparado por:

Kathy Fitzer

kathyfitzer@gmail.com

__________________________________________________

Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH; Bíblia A Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB

__________________________________________________

Ao estudar a Lição desta semana, gostei de saber mais sobre a doutrina (ou seja, o ensinamento) acerca da reconciliação sob a perspectiva da Ciência Cristã. Webster (criador do dicionário Webster) define a reconciliação basicamente como uma reconciliação entre Deus e o homem (isto é, o homem pode encontrando novamente a graça de Deus, após ter pensado estar separado ou criado inimizade contra Deus). Essa interpretação ortodoxa parte do pressuposto de divisão ou separação, que exige reunificação. Entretanto, em tudo o que Jesus ensinou e demonstrou, ele serviu como exemplo do fato de que Deus e o homem são um! Isso corresponde à definição de reconciliação dada pela Ciência Cristã que consta do dicionário do meu iPhone: "a experiência da unidade da humanidade com Deus exemplificada por Jesus Cristo". E Mary Baker Eddy, a descobridora da Ciência Cristã, escreve: "A reconciliação exemplifica a unidade do homem com Deus, segundo a qual o homem reflete a Verdade, a Vida e o Amor divinos" (CS11, p. 18).

Pode ser proveitoso colocar essas definições em nossas próprias palavras para uma melhor compreensão. Para mim, tem sido proveitoso considerar a reconciliação como a demonstração (ou compreensão) da unidade eterna do homem com seu (nosso) Pai-Mãe Deus e da sua (nossa) inseparável conexão com Ele. Essa unificação elimina a possibilidade de alguma vez sermos atingidos pelo pecado, pela doença e pela morte. É sentida quando vivemos de acordo com os ensinamentos de Deus expostos em toda a Bíblia e, especialmente, na vida de Cristo Jesus.

Não precisamos passar a vida toda lutando, na esperança de ganhar a aprovação de Deus. Precisamos é buscar a Deus, como nos mostra o Texto Áureo (Salmos 69:32). Buscar inclui reconhecer a presença de Deus como um fator constante que amorosamente guia a nós e, a todos. Pesquisando a origem da palavra buscar no hebraico, descobrimos que ela inclui a ideia de buscar e pesquisar com diligência. Quando em sua vida, você realmente deseja compreender algo, você reserva um tempo para pesquisar sobre o assunto, se empenha em compreendê-lo e coloca em prática o que está aprendendo. É a mesma situação aqui. Em tudo o que fazemos, precisamos realmente desejar ver as coisas sob a perspectiva de Deus - buscar a percepção de Deus! Só assim alcançamos um senso pleno de vida! The Amplified Bible (A Bíblia Ampliada) traduz o Texto Áureo da seguinte maneira: “Você que busca a Deus [reconhecendo ser Ele sua maior necessidade], deixe seu coração renascer e viver”. Um coração renascido é um coração encorajado (tradução livre CEV). Então ... caso você esteja se sentindo deprimido, desanimado ou só ... busque a Deus! Procure a presença do Amor, da beleza e da bondade expressos da forma mais ínfima. Concentre-se nessas coisas e reconheça Deus como sendo sua fonte, sabendo que não há nada além de Deus, o bem! Como resultado, você sentirá novamente sua unidade com Deus, o bem, que realmente nunca pode ser rompida.

Ao ler a Leitura Alternada (Isaías 30:21, 29; Salmos 34:2, 4–6, 8, 13–15, 18, 22), fiquei impressionada com as qualidades exigidas daquele que está ativo na busca espiritual e em como Deus atende às nossas necessidades. Algumas coisas que devemos fazer: ouvir, ser expectante, humilde, buscar a Deus, voltar-se a Ele, abster-se da negatividade e do engano, fazer o bem, buscar a paz, esforçar-se por manter o pensamento em um relacionamento correto com Deus, sentir remorso se tivermos feito algo de errado e confiar em Deus. Você também pode descobrir outras ideias.

Quanto ao que Deus fará: temos a promessa de que Ele vai nos orientar, ouvir, libertar de nossos medos, nos salvar dos problemas, abençoar, vai estar sempre conosco e nos redimir (vai nos libertar, resgatar e livrar de qualquer sensação de cativeiro ou escravidão). Tudo está em equilíbrio! Nunca pedimos em vão, nem Deus dá em vão. Deus e o homem caminham juntos em harmonia.

Seção 1. O amor de Deus é para sempre ... e abrange a todos!

Será possível que podemos estar fora daquilo que é tudo? É claro que não! Deus está sempre presente, amando-nos, atraindo-nos e elevando-nos - independentemente de para onde pensamos ter nos afastado (B1, Jeremias 31: 3; B2, Salmos 139: 7). Olhando para o original hebraico de Jeremias 31, a ideia de ser atraído pela benignidade de Deus inclui “prolongar, desenvolver, continuar, estender e alongar”. É bom saber que se algum dia nos sentirmos presos, o Amor está nos movendo para frente! Assim como um trailer puxado por um carro segue o carro, nós - puxados por Deus - seguimos a Deus. Nós não estamos no comando, assim como o trailer também não está!

Esta seção revela que como “a semelhança” de nosso Criador, refletimos toda a luz que constitui o um e único Deus (CS6, p. 305). Como esplendor de Deus não podemos estar separados de nossa fonte e por isso não podemos estar separados do Amor, da Vida, da alegria e de tudo o que é bom (CS5, p. 304). Mas o que faremos quando acharmos que estamos separados do bem – quando a escuridão parecer ser esmagadora? É então que intensificamos nosso esforço pela busca espiritual, gratos pela oportunidade de nos elevarmos. Estaremos aptos para reconhecer as soluções com que Deus está sempre nos suprindo quando deixarmos de nos apoiar no testemunho dos sentidos físicos e deixarmos de ficar impressionados com o turbilhão à nossa volta.

Um senso material de conforto pode ser perigoso se nos faz esquecer o objetivo de "andar humildemente com [nosso] Deus" (B3, Miquéias 6:8). O bem é visto à medida que vigiamos o pensamento, mantendo-o puro, sabendo que o que mais precisamos “é orar com o desejo fervoroso de crescer em graça, oração que se expressa em paciência, mansidão, amor e boas obras” (CS2, p. 341 e CS3, p. 4). Nem sempre é fácil progredir, seja qual for o campo de atuação. Mas a prática e o foco necessários valem a pena! Então deixemos de nos preocupar com o que os outros estão fazendo, ou com o que os sentidos físicos estão nos relatando, e vamos ceder apenas ao bem que está sempre presente. Entregue-se ao amor de Deus à medido que este amor o atrai para pontos de vista mais elevados.

Seção 2. A oração revela a unidade de Deus e o homem, exemplificada em nossa vida.

Como é explicado em Ciência e Saúde, de autoria de Mary Baker Eddy, “Deus é ao mesmo tempo o centro e a circunferência do existir” (CS7, p. 203), por isso é impossível que haja realidade em algo além de Deus ou que possa, em algum momento, haver separação entre Deus e o homem. Como eu o compreendo, há uma espécie de relação recíproca inerente à unidade do homem com Deus. Quando duas partes se movem formando uma unidade, nenhuma parte pode avançar ou se atrasar em relação a outra – a unidade está perfeitamente sincronizada. Cada parte tem um papel diferente, mas o equilíbrio está estabelecido. O homem busca a Deus, ora e fica na expectativa de sentir a presença de Deus. Além disso, existe o desejo de seguir o caminho que Deus irá revelar, qualquer que seja, e de viver de acordo com a lei de Deus.

No que tange à parte que cabe a Deus, aprendemos que Deus nos ouve e presta atenção ao que lhe pedimos, nos reanima e impede que soçobremos ante qualquer situação que queira nos engolfar … plantando-nos em solo firme e mostrando-nos como proceder (B4, Salmo 119:10; B5, Salmo 5:3; B6, Salmo 40:1-3,8). Não existe tempo de espera para receber a resposta de Deus, embora talvez não a possamos perceber de imediato devido a nossa perspectiva humana. À medida que nossa busca e nossa oração transformam nossa perspectiva, o que sempre existiu será revelado. É como quando uma pessoa procura chamar a atenção para algum detalhe a um amigo, mas algo está obstruindo a visão dele. Uma mudança de posição permite alterar a perspectiva e o amigo então percebe corretamente os fatos.

Assim, já que a oração nos torna capazes de perceber a unidade que temos com Deus e de perceber os fatos como Deus os percebe, para chegar a tal ponto é importante abordar a oração de maneira eficaz. Jesus nos ensinou a entrar no quarto e fechar a porta quando oramos (Mateus 6:6). Ciência e Saúde inclui uma instrução semelhante. Somos aconselhados da seguinte maneira: “é preciso que a porta dos sentidos errôneos esteja fechada” “os lábios têm de estar mudos e o materialismo calado, para que o homem possa ter audiência com o Espírito, o Princípio divino, o Amor, que destrói todo o erro” (CS8, p. 15). Não encaro este tipo de oração como uma mensagem para Deus, mostrando a Ele o que precisa ser corrigido – ou delineando uma solução. Ao contrário, trata-se de esperar em silêncio que Deus nos mostre o que é certo a fazer. E o que Deus está fazendo? Inspirando, iluminando, designando o caminho e nele nos guiando (CS10, p. 454).

Portanto, o que precisamos fazer para perceber que a unidade do homem com Deus é um fato? “Espera tu pacientemente que o Amor divino paire sobre as águas da mente mortal e forme o conceito perfeito” (CS10, p. 454). O Webster’ 1828 Dictionary (Dicionário Webster de 1828) define pacientemente em parte como “com tranquilidade; com perseverança constante; sem agitação, desassossego ou insatisfação”. Lembremo-nos de que estamos na expectativa de um conceito perfeito – de um conceito completo e pleno de instruções – que nos dá a coragem de perseverar à medida que procuramos a Deus de todo o coração.

Seção 3. A unidade inquebrantável traz a correção do curso quando necessário.

Quando, por engano, pensamos estar percorrendo um caminho separado de Deus, pode haver confusões grandes e pequenas. Tomar decisões que não correspondam à lei do Amor divino expõe a nós ou a outros a situações desastrosas. Podemos ser gratos “pois no Senhor há misericórdia; nele, copiosa redenção” (B9, Salmo 130:7). O sempiterno amor de Deus nos ampara e nos eleva a fim de facilitar uma mudança de curso. Mas nós também precisamos ceder, reconhecer nosso erro e expressar mansidão e humildade.

Deus enviou o profeta Natã à Davi para levá-lo a agir corretamente após ele ter sucumbido à tentação. Davi fez com que Urias, o heteu, fosse morto em batalha para que pudesse tomar-lhe a mulher para si. Parece que ele não compreendeu que havia agido erroneamente. Ao ouvir a história de Natã, Davi considerou muito injusta a atitude do homem rico que tomou a única cordeirinha de um homem pobre para prepará-la para um estranho que passava, em vez de pegar uma das muitas que ele possuía. Mesmo ouvindo esta história ele não percebeu quão grave havia sido seu erro até que Natã lhe disse francamente que o homem rico era ele. O aspecto positivo deste caso é que Davi reconheceu o seu erro e se arrependeu (B8, 2Samuel 12-1-13).

Vejo aqui duas perguntas que precisamos fazer a nós mesmos: (1) estamos dispostos a escutar quando alguém chama nossa atenção por uma falta cometida por nós? (CS12, p. 8) e (2) estamos dispostos a ser o intermediário por meio do qual o erro de outra pessoa é exposto, permitindo a essa pessoa uma mudança de curso e o restabelecimento de uma união consciente com Deus? (B10, Gálatas 6:1). Se a reconciliação é uma exemplificação da unidade do homem com Deus, reconhecemos que embora nunca houvesse realmente uma separação, algumas vezes existe a necessidade de uma mudança de curso no pensamento humano para que seja demonstrada esta unidade. O Amor que se reflete em amor, facilita esta correção.

Seção 4. O homem reconcilia-se com Deus, não Deus com o homem.

A história de Davi na seção anterior ilustra o ponto tratado aqui de que a expiação envolve o homem sendo reconciliado (ou devolvido) a Deus, e não o contrário (CS16, p. 18). Deus, o Amor, nunca deixa de ser Amor e nunca se afasta do homem. Mas, às vezes, parece que os laços foram quebrados. O batismo espiritual limpa tudo o que quer alegar a possibilidade de separação.

A seção 6 registra mais sobre o batismo: Em Atos 2, quando Pedro convida os ouvintes a serem “batizados ... em nome de Jesus Cristo ... quase três mil pessoas ... que lhe aceitaram a palavra foram batizados" (B18, Atos 2:5,14, 22–24,32,38,39,41,42). O batismo de Jesus forneceu um anúncio público de que ele era realmente o Filho de Deus - o Messias. Isso abriu o caminho para ele curar (limpar) a outros, incluindo o leproso que se aproximou dele com confiança, reconhecendo o poder de Jesus para curá-lo (B12, Marcos 1:9,11,34,40-42).

Paulo enfatizou aos coríntios o ponto importante de que Deus é a fonte de todo bem. Nossa capacidade, ou suficiência, sempre vêm de Deus (B13, 2Cor. 3:4,5). Mas, temos um papel a cumprir. Assim como o leproso reconheceu a capacidade de Jesus de curá-lo antes que a purificação fosse evidente, precisamos reconhecer "a supremacia do Espírito, que anula as alegações da matéria". Enquanto nos apegarmos às crenças materiais e nos identificarmos e aos outros como mortais com personalidades diferentes, estaremos aceitando a premissa da desunião.

Ao renunciarmos a essas identidades mortais e personalidades separadas, "encontra[mos] o vínculo espiritual indissolúvel, que estabelece o homem para sempre na semelhança divina, inseparável de seu Criador" (CS19, p. 491). Esse vínculo de união é permanente. Reconhecendo isso, nossa perspectiva se volta para Deus, e a reconciliação é vivenciada!

Seção 5. Busque a Deus com amor isento abnegado, consagração, arrependimento, alegria e gratidão.

A mulher que buscou Jesus, lavando e ungindo seus pés enquanto ele estava jantando na casa do fariseu é um grande exemplo do que realmente significa buscar a Deus (a Verdade e o Amor). Em contraste com Davi, parece que essa mulher sabia que tinha muitas coisas que precisavam de perdão. Mas, ela humildemente veio a Jesus, mostrando seu amor por ele e buscando redenção. O arrogante fariseu, por outro lado, não mostrou nenhuma indicação de que precisava de algo que Jesus tivesse a oferecer.

Quer estejamos cônscios de nossos “pecados” ou alheios a eles, algum ponto é necessário alcançar - buscar - a fim de compreendermos plenamente esse senso de reconciliação ou unidade com Deus. A mulher veio a Jesus com um sentimento de amor, consagração, autoimolação, alegria e gratidão ... pronta para se arrepender e ter sua lousa de erros passados a limpo, por assim dizer. O fariseu deu as boas-vindas a Jesus em sua casa, mas negou até mesmo a graça simples de fornecer um meio de lavar a poeira de seus pés. Parece que ele se importava mais com as aparências externas do que verdadeiramente de abraçar a Cristo. Alguma vez também já não fomos assim?

Vamos à igreja, falamos sobre o que falar, mas sentimos o profundo amor por Deus e por tudo o que Jesus fez que nos impele a buscar a Deus de todo o coração e seguir o exemplo de Jesus?

Vamos também considerar como Jesus lidou com a mulher. É um ótimo exemplo de como devemos lidar com pessoas que estejam trabalhando para dar uma reviravolta depois de fazerem escolhas erradas, ou que possam estar lutando contra o medo e a insegurança. Mary Baker Eddy nos lembra que é muito melhor responder a essas pessoas com ternura, encorajamento e paciência, em vez de explodi-las com citações ou declarações grandiosas sobre o que deveriam fazer de maneira diferente. O Amor é a base da Ciência Cristã, e se um sentimento de amor não transparece, uma enxurrada de palavras tende a soar vazia e sem sentido (CS22, p. 367).

A arrogância, expressa pelo fariseu, não tem lugar na prática da Ciência Cristã. À medida que nos aproximamos mentalmente de Cristo, vamos a Deus com humildade, pedindo que nos mostre o caminho, e receberemos o mesmo tipo de amor e perdão que a mulher recebeu e “tanto o pecado como o sofrimento finalmente cairão aos pés do Amor eterno” (CS21, p. 23). A reconciliação será percebida!

Seção 6: Seja espiritualmente batizado para demonstrar sua união com Deus.

Para mim, a parte mais importante da fala de Pedro (B18, Atos 2) é sua ênfase na necessidade de arrependimento, e o incentivo para seus ouvintes serem “batizado[s] … para a remissão dos vossos pecados.” Arrepender-se, se acordo com o dicionário Grego, significa “pensar diferentemente, ou mudar sua mente para melhor.”

A palavra Grega traduzida como batizado aqui é baptizo. A Bíblia Touch diz que essa palavra “não" deve ser confundida com bapto. O exemplo mais claro que mostra o significado de baptizo está em um texto do poeta e médico grego Nicandro, que viveu cerca do ano 200 A.D. É uma receita para fazer picles e nos ajuda pois usa ambas as palavras. Nicandro diz que para fazermos picles, o vegetal deve ser primeiro “mergulhado” (bapto) na água fervente e depois “batizado” (baptizo) na solução de vinagre. Mas o primeiro passo é temporário. O segundo, o ato de batizar o vegetal, produz uma mudança permanente. Quando usada no Novo Testamento essa palavra se refere mais a nossa união e identificação com o Cristo do que com nosso batismo na água (Revista de Estudos Bíblicos, James Montgomery Boice, maio de 1989).

Portanto, uma ascensão meramente intelectual não é o suficiente no batismo. É necessário haver uma união com o Cristo, uma mudança verdadeira, assim como do vegetal para os picles!

No relato de Pedro, três mil pessoas fizeram essa mudança de pensamento conforme foram batizados. E eles continuaram os ensinamentos dos apóstolos e orando pelos outros e partindo o pão (ou dividindo o evangelho, ou boas notícias para todos que Jesus ensinara) (B18; Atos 2:42).

Jesus mostrou através de seu crucifixo, ressurreição, e ascensão que a morte e outras limitações mortais não possuem nenhum apego no homem. Ele mostrou a possibilidade da liberdade absoluta que vem através do entendimento da união do homem com Deus. O quarto princípio da Ciência Cristã fala sobre esse ponto, dizendo que o que Jesus demonstrou serve de “evidência do Amor divino eficaz, desdobrando a unidade do homem com Deus através de Cristo Jesus que mostrou o Caminho”.

O quarto princípio segue dizendo que o homem é salvo por meio do Cristo, por meio da Verdade, da Vida e do Amor, como foi demonstrado pelo Profeta da Galileia ao curar os doentes e ao vencer o pecado e a morte (CS24, p. 497). Agora é nosso privilégio seguir o exemplo do nosso Mestre, Jesus Cristo, e fazer o que pudermos para curar como ele curava (CS25, p. 37).

O mundo está cheio de pessoas que buscam a liberdade (como aqueles para quem Pedro apresentou o Cristo). Mary Baker Eddy nos diz: “Milhões de mentalidades sem preconceitos — que com simplicidade procuram a Verdade, viandantes fatigados, sedentos no deserto — aguardam, atentos, o repouso e o refrigério (CS26, p. 570). Por que não aceitamos esse desafio e deixarmos que nossa luz brilhe, sem medo de compartilhar aquilo que entendemos sobre a união do homem com Deus - uma união que traz liberdade e cura para qualquer desafio que nos confronte (CS26, p. 570).

Seção 7: Nada pode nos separar da nossa união com Deus.

Não podemos estar separados de Deus assim como um raio de sol não pode estar separado do sol ou uma gota de água do mar estar separada de seus atributos de água marinha (CS27, p. 361). Simples assim. Quando estava me exercitando recentemente, ajudou muito pensar sobre mim mesmo como sendo um com Deus assim como uma gota de água é um com uma onda. O poder está na onda… cada gota de água expressa esse poder simplesmente por causa da sua união com o oceano. E, portanto, minha força não era dependente de músculos, mas da minha união com Deus, uno com a Vida, Verdade e Amor inexaurível! Isto foi muito libertador!

Gostei muito da seguinte tradução de Romanos 8:38,39 da Bíblia Nova Versão Internacional:

“Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (B19).

Jesus e os apóstolos, assim como aquele que vieram antes e aqueles que vieram depois, demonstraram a verdade dessas afirmações. Portanto comecemos e continuemos com essa unidade absoluta de Deus com o homem, e tenhamos a certeza de que enquanto buscarmos a Deus, sentiremos amor, cuidado, proteção, e orientação que são eternamente nossos por causa da doutrina da reconciliação - a revelação do Amor da inseparável unidade que existe entre Deus e homem. Essa unidade será demonstrada em nossas vidas conforme seguimos exemplo de Jesus em tudo o que fizermos! O Amor nos atrai e nos eleva, e nada pode residir essa atração! Como resultado, somos elevados a ver a lei de Deus, o bem, agindo em nossas vidas, e em todo Universo, por causa da união do homem com Deus.

______________

A equipe de tradução para o português é composta por Ana Steffler, Elisabeth Zir Friedrichs, Ovídio Trentini, Ursula J. Dengler, e William Trentini, com revisão de Leila Kommers. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.

Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.

Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

Walk in the Pathway of Life! - As many worthies in the Bible have, you might feel far from God...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page