Cedar Camps

Metaphysical Ideas

Search Metaphysicals
 

Metaphysical Newsletters

The weekly Metaphysical Newsletter is provided to campers, staff, alumni, friends and the CedarS family at no charge however contributions help defray the costs of running this service.

Click here for more about how you can provide support!
 

Delivered to You FREE!

Available in five languages, get it delivered to your inbox weekly!

Subscribe Now!

Abandonem a crença de que vivem em um corpo material! Vocês são o templo de Deus! Estudo Metafísico do Acampamento dos Cedros - Tema: A Alma e o Corpo.

Kathy Fitzer
Posted Monday, May 18th, 2020

CIÊNCIA CRISTÃ - LIÇÃO BÍBLICA

[Abandonem a crença de que vivem em um corpo material!

Vocês são o templo de Deus!]

18 a 24 de maio de 2020

A Alma e o corpo

Estudo preparado por:
Kathy Fitzer
kathyfitzer@gmail.com
__________________________________________________
Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia A Mensagem - MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB
__________________________________________________

Quando fui acordada recentemente no meio da noite por uma dor de estômago, virei-me para esta lição em busca de inspiração e cura. O que captei foi que nossa identidade não é definida por um corpo material. Estamos sujeitos apenas ao governo de Deus. Nós somos o brilho da Alma e respondemos à liberdade infinita da Alma. A liberdade foi rapidamente restaurada sem ter que passar por nenhum tipo de "processo" físico.
Ao pesquisar a palavra alma no Dicionário Webster de 1828, gostei dessas definições: "a substância espiritual, racional e imortal no homem"; "Princípio vital"; "Espírito, essência"; "Vida; princípio de animação”. Quão importante é entender que nosso senso de corpo - ou identidade - reflete esse Princípio, cada um de uma maneira especial e única. Mas, nossa natureza imortal nunca fica presa em um corpo, sujeita a ele, ou espera ser liberada dele. Somos inteiramente o brilho espiritual da Vida!
O Texto Áureo nos diz que somos “o santuário de Deus” e que o templo é santo. Como usado aqui, o hebraico traduzido como santo significa sagrado, que inclui a idéia de ser fisicamente puro e moralmente inocente. Paulo estava escrevendo para a igreja em Corinto, falando com eles como uma comunidade. Mas, a descrição certamente se aplica a cada um de nós individualmente também. O templo era conhecido na Bíblia como "a casa do Senhor". Foi concebido principalmente como uma residência para Deus, e não como um local de culto e oração pública. Conforme usado aqui, o templo se refere ao Santo dos Santos, onde Deus foi entendido como morando. Somente o sumo sacerdote podia entrar, e apenas uma vez por ano - no Dia da Expiação. Então ... se somos o templo de Deus, para mim isso significa que Deus reside em nós - embora não seja confinado por um senso material de identidade. Verdadeiramente, Deus é a fonte da identidade. Portanto, não há separação entre a santidade de Deus e nossa expressão dessa santidade. Assim como Deus se revelou ao sumo sacerdote, ele se revelou a nós. Sua presença constante é a própria Alma do nosso ser.
Para mim, a Leitura Alternada descreve a relação entre Deus (Alma) e o homem. Nosso desejo deve ser de servir a Deus. À medida que avançamos em nosso serviço (ministério) a Deus (honrando-O em tudo o que fazemos e prestando testemunho de Sua presença sempre), seremos sustentados por Ele. Externamente, as coisas podem parecer difíceis, mas estamos sendo fortalecidos pela Alma. Nossa identidade dada por Deus (o homem interior) está sendo fortalecida e atualizada constantemente.
Sempre fiquei impressionada que, apesar de todas as dificuldades que Paulo passou, ele falou das provações como "nossa leve e momentânea tribulação". Isso me lembra Mary Baker Eddy falando sobre como Deus a "preparou graciosamente" através dos muitos desafios que enfrentou. Penso que o ponto é que, ao sermos desafiados, somos forçados a recorrer a Deus em busca de força. Ao nos apoiarmos nesse “sustentar o infinito” e reconhecer nossa unidade com nosso Pai-Mãe “Eu Sou”, descobrimos uma glória que supera em muito as provações. E não esperamos por essa glória até depois da morte. Está aqui e agora.
Olhando para a palavra grega original, doxa, podemos pensar na glória como uma majestade que pertence a Deus e é expressa no homem como magnificência, excelência, dignidade e graça. A chave está em focar no aparentemente invisível, mas que sabemos ser eterno e real ... ao invés de focar no que aparece aos sentidos materiais e que é sempre temporal - limitado em escopo e tempo. Devemos dissolver o falso senso de que vivemos em um corpo mortal.
Optando por “habitar com o Senhor” não nos impressionamos com os relatos da matéria - sejam bons ou ruins. Ao mantermos o pensamento focado em nossa unidade com Deus, Espírito, Vida, Verdade e Amor - a Alma do nosso ser -, nos encontramos habitando na Mente infinita. A expressão externa que chamamos de corpo deve expressar naturalmente a liberdade e a harmonia da Alma. Nós, como Paulo, devemos sempre dar a Deus o crédito e a glória ao vencer todas as provações.

Seção 1. Você são os servos e as testemunhas abençoados de Deus - mantidos pela graça de Deus
Foi divertido pensar sobre o relacionamento co-dependente que existe entre Deus e o homem. Grandes bênçãos virão se esse relacionamento for reto. Ao olharmos para esta seção, vemos Deus representado como o rei eterno, vestido com honra e majestade (B1, Salmos 104:1; B2, Salmos 93:2,5). Ele está no comando!! Majestade e honra estão intimamente ligadas no hebraico original. Ambos incluem as ideias de beleza, formosura, excelência, glória e de ser bom. Esses são atributos de Deus e, por reflexo, atributos do homem. Quão maravilhoso é perceber que fomos revestidos por Deus com retidão (retidão, justiça e prosperidade) e com beleza. Adoro a imagem de estar vestida como uma noiva ou noivo. Não acho que alguém pareça tão bem quanto no casamento (B3, Isaías 61:10)!
Sempre me ajuda a manter as coisas em perspectiva quando lembro que Isaías foi escrito durante um período em que as pessoas estavam no exílio na Babilônia - sendo mantidas em cativeiro por seus inimigos. E, no entanto, muita esperança é expressa aqui. Deus nunca deixa de cuidar de Sua criação! Poderíamos nos sentir exilados no momento - se permitíssemos isso. Em vez de babilônios, nosso inimigo parece ter medo de doenças e desastres econômicos, além de isolamento. O senso de incerteza faz parte dos dois cenários. Mas Deus nunca deixou de cuidar de cada um de nós, assim como fez com Israel.
Fomos feitos para ser testemunhas de Deus (B4, Isaías 43:10,21). Como usado aqui, ser testemunha de Deus não é um benefício para Deus (como pode ser tradicionalmente em um ambiente de experiência). Deus não precisa da nossa ajuda. Mas, conhecer, crer e entender Deus permitirá ao Seu povo (então e agora) retornar à correta relação com Ele e encontrar a liberdade (Bíblia do Novo Intérprete, Vol. VI, p. 377). Antes do exílio, Israel não queria escutar ao ser ensinado sobre Deus. Mas Deus nunca deixa Seus filhos. Ele nos fez para ser o Seu brilho (para mostrar Seu louvor) e perpetuamente nos mexe e nos desperta para reconhecer o relacionamento inseparável que compartilhamos com Ele.
De acordo com um dicionário da Bíblia, a palavra “servo” é usada mais de oitocentas vezes na Bíblia. A palavra hebraica ebed e a palavra grega boules normalmente têm o significado literal de "escravo", mas o termo também pode ser traduzido como "adoradores de Deus" e até como uma forma de abordagem entre iguais. Ser servo envolve humildade, mas veja o que é prometido ... Deus sustenta Seus servos e os escolheu (“meus escolhidos”) e se deleita neles e põe seu Espírito neles (B5, Isaías 42:1). Deus nos ama - nos conhece e nos ama!
Compreendendo nosso relacionamento com Deus como Suas testemunhas e servos, podemos nos identificar corretamente como o reflexo da única identidade - a única Alma - que existe (CS2, p. 71; CS3, p. 466). Não operamos em órbitas separadas de Deus. Expressamos Deus - que constitui nossa própria Alma, nossa identidade! Essa identidade não está presa em um corpo material (CS4, p. 477). Adoro a frase “a radiância da Alma” (CS5, p. 247)! Como os raios do sol são o brilho do sol. Para mim, isso captura a essência da majestade que é para sempre nossa, por reflexo ou expressão. A beleza (por dentro e por fora), a excelência e a bondade que são nossas não se originam em nós. Eles nunca mudam ou diminuem e não podem ser tocados por pecado, doença ou morte. A Alma nos projetou, nos atraiu e nos vivemos em total segurança como Seu belo design!

Seção 2. O homem (você, eu e todos) vive no Espírito, não na matéria
Se confiamos nos sentidos físicos, certamente parece que nossa alma, ou identidade, está presa numo corpo material, e a nossa existência está à mercê deste corpo. Por outro lado, parece que o sol e as estrelas giram em torno da terra como se esta fosse o centro do universo. É o que Ptolomeu pensava. O mundo acreditou na sua teoria durante 1400 anos, até que esta falsa teoria foi derrubada pelas descobertas de Copérnico, Galileu e Newton (CS7, p. 122). Houve grande controvérsia quanto a estas descobertas. Elas realmente não foram aceitas de imediato. Ocorre o mesmo com a descoberta de Mary Baker Eddy, que ainda não foi de todo aceita. As ciências físicas fazem objeção às descobertas da Ciência Cristã. No entanto, não importa se a verdade é aceita ou não, isto não altera os fatos!
Antes que Ptolomeu tivesse estabelecido suas teorias, São Paulo escreveu aos romanos: “Vós, no entanto, não estais [vivendo] na carne [dominados pela natureza pecadora], mas no Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vós [orientando e governando-vos]. ... pois se estiverdes vivendo de acordo com [os impulsos da] carne, morrereis. Mas se [estiverdes vivendo] por meio do [poder do Santo] Espírito estareis constantemente anulando as ações pecadoras do corpo, [realmente] vivereis eternamente” (B7, Romanos 8:9,13, Versão Ampliada). A maioria atualmente pensa que este trecho simplesmente trata de comparar a questão de sucumbir às tentações da mente carnal (ou à carne) com o ato de ceder à orientação de Deus. A visão mais inspirada, no entanto, consiste em reconhecer que nossa identidade realmente não depende da carne (isto é, do corpo mortal com suas sensações de prazer ou dor baseadas nos sentidos), mas que existimos no Espírito - literalmente nos movemos sob o impulso do Espírito, refletindo e expressando a Vida que é a única Alma de todos!
A questão repete-se no trecho de Isaías 2:22, “Afastai-vos, pois, do homem cujo fôlego está no seu nariz. Pois em que é ele estimado?”, que muitas vezes é interpretado de maneira a mostrar quão importante é não confiarmos nos seres humanos ou nos denominados mortais (B8, Isaías 2:22). Mas a Ciência Cristã amplia esta interpretação, levando-nos a abandonar toda confiança na crença de vivermos num corpo material ou de sermos governados pelas “leis” da matéria. Como escreveu Mary Baker Eddy: “Corretamente compreendido, o homem, em vez de possuir uma forma dotada de sensação, tem um corpo isento de sensação; e Deus, a Alma do homem e de toda a existência, sendo perpétuo em Sua própria individualidade, harmonia e imortalidade, propicia ao homem essas qualidades e nele as perpetua – por meio da Mente, não da matéria” (CS10, p. 280).
Precisamos avaliar constantemente a nossa perspectiva! Quando reconhecemos que somos possuidores de um corpo livre de sensações – a expressão de nossa identidade, independente da matéria –- podemos nos sentir seguros e saber que não temos nada a temer! O Espírito, a Vida, a Verdade, o Amor, constituem a Alma (identidade) de nosso ser e expressam em nós toda a saúde e harmonia que nos pertencem perpetuamente. Este é o fato que nos mantém seguros, imunes às falsas crenças e maus efeitos que advém da inversão da ordem das coisas e da crença de que temos uma vida separada de Deus – e, portanto, vulnerável.
Não importa há quanto tempo se entretêm uma percepção errada – ela continua sendo errada. Ao nos identificarmos com os fatos, encontramos a harmonia e nos livramos de todo o medo e do senso de vulnerabilidade. Atualmente somos tentados a acreditar que mantermo-nos afastados dos outros é o que nos mantém a salvo. Mas em verdade a segurança só advém de compreendermos a realidade de que somos governados pela Alma e que “o homem é a ideia de Deus, formado de maneira espiritual, não material, e não sujeito à decomposição e ao pó” (e poderíamos acrescentar germes, infecções, um vírus, desaceleração econômica, solidão, etc.) (CS8, p. 200.) Recuse-se a vacilar em relação a esses fatos tanto quanto você vacila em compreender que o sol– em vez de a terra – é o centro do sistema solar!

Seção 3. Humildade e batismo espiritual
A história da cura de Naamã é tão rica - e pode nos ensinar boas lições. Embora Naamã a princípio tivesse muito orgulho para encarar, - indignou-se por Eliseu não ter demonstrado grande interesse em sair e curá-lo, e insultou que ele deveria ser convidado a se banhar nas águas relativamente sujas do rio Jordão, ele mostrou humildade suficiente para seguir as instruções de Eliseu. E a doença de pele que o atormentara foi curada (B13, 2Reis 5:1-3,9-14). Tinha que ser claramente evidente que foi DEUS que curou Naamã. Caso contrário, sua fé teria permanecido no profeta, em vez de vê-lo como uma transparência. Havia algo no rio que era um agente de cura? Não!
A cura ocorreu quando o pensamento de Naamã mudou e seu orgulho humildemente cedeu ao poder de Deus. Ficou limpo quando seu pensamento foi purificado pelo Espírito. Uma parte da definição de Batismo de autoria de Mary Baker Eddy inclui uma citação de Paulo: “Preferimos ‘deixar o corpo e habitar com o Senhor’” (CS15, p. 581). Esta é a chave. O orgulho pode não ser o problema específico que esteja nos afligindo ... mas pode ser a dúvida, o medo, uma compreensão vacilante, dependência de meios materiais ou fé em estatísticas. A questão é: precisamos deixar todas estas questões e realmente habitar com o Senhor – manter o pensamento alinhado com o relatório de Deus!
Especialmente durante esta época quando a situação exige constantemente que mantenhamos o pensamento correto, é importante permanecer submergido no Espírito o maior tempo possível. Isto não significa que ignoramos o problema – ou que afirmemos que não há problema – ou que ajamos de modo desrespeitoso para com o nosso próximo. Como Cientistas Cristãos temos o dever de continuamente batizar (limpar) o pensamento – deixando que o Espírito o esfregue até que fique isento de qualquer falsa crença. Assim fazendo, não apenas nós estaremos a salvo, mas também aqueles que incluímos em nosso pensar. Definitivamente, devemos ter a expectativa de cura para o mundo e a erradicação da crença de um vírus mortal.
Mary Baker Eddy escreveu um artigo intitulado Tanque e Propósito (Pond and Purpose) incluído em Escritos Miscelâneos 1883-1896, (Miscellaneous Writings1883-1896), páginas 203 a 207. Ele merece um mergulho profundo. Como escreve Mary Baker Eddy, “Ao purificar o pensamento humano, esse estado de ânimo permeia com crescente harmonia todas as minúcias dos assuntos humanos. Traz consigo previsão, sabedoria e poder maravilhosos; despoja de ego o propósito mortal, dá firmeza à resolução e êxito ao esforço. Mediante o aumento da espiritualidade, Deus, o Princípio divino da Ciência Cristã, literalmente governa as aspirações, a ambição e os atos do Cientista. O governo divino provê prudência e energia; bane para sempre toda inveja, rivalidade, todo pensar, falar e agir maldosos; e a mente mortal, assim depurada, encontra paz e poder fora de si mesma. Esta Ciência Cristã prática é a Mente divina, a Verdade e o Amor incorpóreos, brilhando através da névoa da materialidade e dissipando as sombras chamadas pecado, doença e morte” (Mis., p. 204:23-6).
A última citação desta seção nos lembra que à medida que o pensamento muda ... “do medo para a esperança, e da fé para a compreensão – então a manifestação visível será por fim o homem governado pela Alma, não pelo senso material” (CS17, p. 125). Que oportunidade estupenda temos exatamente agora para aproveitar a situação atual e ver através da mentira – humildemente imergindo o pensamento na totalidade do Amor, a totalidade do Espírito. Deus está nos guiando. A nossa parte consiste apenas em seguir obedientemente – como Naamã o fez.

Seção 4. Os sentidos da Alma estão intactos e precisam ser utilizados
Certamente é correto esperar que nossos sentidos - audição, visão, fala, etc. - estejam completamente operacionais e livres de qualquer impedimento, doença ou dor. Portanto, é importante entender novamente que a fonte desses sentidos não é a matéria - ou em partes limitadas e limitadas do corpo -, mas na Alma (a fonte de toda a identidade). Deus está sempre falando. Ou seja, a mente está sempre se comunicando - e enviando uma mensagem de paz. Estamos exercitando nossa capacidade dada por Deus de ouvir essa comunicação?
Temos que ter cuidado para não ficarmos presos à estática, competindo constantemente com a voz da Verdade - estática que pode parecer tão convincente que pode nos ensurdecer. Isso pode incluir notícias e estatísticas sobre o que está ameaçando nosso bem-estar. Pode haver más lembranças de uma aflição anterior (relacionada aos nossos olhos ou ouvidos, ou algo totalmente diferente.) Pode ser apenas uma "queixa" do corpo que isso ou aquilo não pareça certo - ou machuque. Seja o que for, precisamos silenciá-lo e "escutar o que Deus, o Senhor, disser" (B15, Salmos 85:8). E a nossa voz?
Estamos fofocando, reclamando, ruminando, repetindo relatos falsos ou aumentando os medos do mundo? É muito tentador fazer isto!!! Mas, vamos seguir o exemplo do salmista ... fique satisfeito com a abundância que Deus está provendo e louvando a Deus audível e silenciosamente (B16, Salmos 63:5). Ao fazer isso, estamos abrindo o pensamento para o Cristo, a Verdade, que está tão presente para revelar nossos sentidos perfeitos cheios de Alma como quando Jesus curou os “surdos e gagos” (B18, Marcos 7:32-36). Desde que pensemos que nosso corpo, ou os sentidos materiais, são a fonte de nossa audição, visão, fala, conhecimento, etc., estamos em apuros - sujeitos a doenças físicas. Porém, "A Ciência divina revela que o som se comunica por meio dos sentidos da Alma — por meio da compreensão espiritual" (CS21, p. 213). A compreensão espiritual não pode ser ferida ou perdida!
Testemunhei a cura de dores de ouvido, infecções oculares e perda de voz quando o pensamento se afastou de um órgão material como fonte e falei “à doença como quem tem autoridade sobre ela, deixando que a Alma domine as falsas aparências dos sentidos corpóreos e faça valer suas próprias reivindicações sobre a mortalidade e a doença” (CS22, p. 394).
Duas curas de deficiência auditiva são muito queridas para o meu coração. Quando minha filha era jovem (quase 3 anos), percebemos que o idioma dela estava atrasado. Um teste auditivo revelou que ela apresentava uma perda auditiva severa nos dois ouvidos. Quando chamei um profissional para obter ajuda com isso, sua resposta foi: "Isso é fácil"! Não me lembro especificamente de como oramos, mas nunca esquecerei sua confiança. E, em apenas alguns meses, tornou-se evidente que sua audição havia sido completamente restaurada - assim como seu desenvolvimento de linguagem e fala. Ela agora é adulta e tem uma audição excepcional! Anos mais tarde, percebi que eu praticamente não havia audição em um ouvido e o outro parecia menos do que perfeito. Eu sabia que os pássaros estavam cantando lá fora, mas não conseguia ouvi-los claramente. Eu estava apreciando um verso de Prov. 20:12: “O ouvido que ouve, e o olho que vê, o Senhor os fez a ambos”. E me ocorreu que Deus não criaria os sons bonitos do universo e impediria Seus filhos de ouvi-los. No momento dessa compreensão, meus ouvidos se abriram e eu pude ouvir tudo perfeitamente! E eles permaneceram abertos. A cura é natural AGORA!

Seção 5. O homem (nós) não pode ser mantido em cativeiro. Abandone a crença da vida na matéria e seja livre!
O rei Herodes pode ter se sentido ameaçado pelo crescente apoio que a jovem igreja cristã estava recebendo de tantas pessoas, ou ele estava tentando obter o apoio dos judeus. De qualquer forma, "a autoridade secular da cidade (Herodes) chegou agora a concordar com sua autoridade religiosa (Sinédrio) de que o movimento de Jesus era prejudicial a Israel (Bíblia do Novo Intérprete, Vol. X). Muitos judeus estavam em Jerusalém naquele momento para “a festa dos pães ázimos”. Tiago havia sido preso e decapitado. E então Pedro foi preso e colocado sob forte guarda na prisão. A Bíblia Lens (disponível em JSHonline.com) compartilha detalhes mais interessantes sobre essa passagem. Para mim, a melhor parte desta história é que "havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele".
E, como sabemos, um “anjo” (o toque de Deus) acordou Pedro, quebrou suas correntes e o levou para fora da prisão e por portões, sem alertar os guardas. Também adoro a observação de Pedro de que ele fora libertado não apenas das mãos de Herodes, mas "de toda a expectativa do povo judaico" (B20, Atos 12:1,5-11). Isso me faz pensar nas expectativas do pensamento geral hoje, que tenta aprisionar o pensamento com medo e com a ameaça de doença e morte. Ao seguirmos o exemplo da igreja primitiva e orarmos sem cessar, podemos esperar que as cadeias dessa pandemia desapareçam e todos saiam da prisão mental, sãos e salvos!
A conclusão é resumida aqui: "Mais cedo ou mais tarde aprenderemos que os grilhões da capacidade finita do homem são forjados pela ilusão de que ele viva no corpo em vez de na Alma, na matéria em vez de no Espírito". Nós não vivemos em um corpo material. Nossa identidade é livre - a expressão completa da Alma. E não podemos ser presos por oportunidades limitadas, doenças, medo ou qualquer outro conceito mortal. Vamos todos concordar em orar pelo mundo e sair ilesos!

Seção 6. Estabeleça no pensamento o "o santuário, ou seja, o corpo, do qual “Deus é o arquiteto e edificador”" (CS30, p. 428)
A lição completa o círculo, pois somos novamente convidados a pensar em nosso corpo como o templo de Deus (ou o Espírito Santo) (B21, 1Cor. 6:19,20). Ouvi alguns interpretando esses versículos como um mandamento para tratar os corpos com respeito - sendo atento aos alimentos que comemos e quanto exercitamos, etc. Mas, penso que uma perspectiva da Ciência Cristã, baseada em Gênesis 1, exige uma interpretação mais profunda. Se nosso corpo é de Deus, não pode ser material. Deve ser espiritual, porque Deus - nossa fonte e criador - é espiritual.
O corpo deve realmente ser composto de ideias, governadas pela Mente que nos projeta e forma nossa identidade. Achei a pergunta da primeira citação em Ciência e Saúde muito interessante. Pensamos que precisamos esperar por "mais compreensão" de nossa parte, ou que mais pessoas acreditem nos ensinamentos da Ciência Cristã antes de podermos demonstrar a capacidade da Alma de "controlar o corpo"? O restante do parágrafo pede que lembremos que Jesus, que demonstrou o poder do Espírito há 20 séculos, disse claramente: "Aquele crê em mim fará também as obras que eu faço", ... e Paulo disse que "AGORA é o dia da salvação" (CS28, p. 92). Não precisamos esperar por nada.
Agora mesmo podemos esvaziar nosso pensamento de "falsas relações de confiança e evidências materiais, para que os fatos espirituais do existir possam aparecer". Então, abriremos espaço para o "verdadeiro" - o fato de não estarmos presos ou governados por um corpo material, mas residirmos totalmente na consciência do amor. Nossa identidade (ou corpo) é a expressão do que Deus estabeleceu - para sempre harmonioso, saudável, empregado e satisfeito, sem falta de nada!
Nós somos o templo de Deus! Anos atrás, tive uma bela cura de uma lesão nas costas ao vislumbrar o poder dessa afirmação: “nosso verdadeiro templo não é uma fabricação humana, mas a superestrutura da Verdade, criada sobre o fundamento do Amor e com pináculos na Vida. Sendo essa a natureza, como pode nosso templo divino ser demolido ou mesmo perturbado?” (Pulpit and Press, p. 2:27-2). Como a liberdade que experimentei demonstrou... não pode ser perturbada! E isso também é verdade hoje em relação a quaisquer desafios que possamos estar enfrentando! A Alma reina!

______________

A equipe de tradução para o português é composta por Ana Steffler, Elisabeth Zir Friedrichs, Ovídio Trentini, Ursula J. Dengler e William Trentini. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

Metaphysical

Understand the One Spiritual Creation and Be Blessed! - The importance of understanding that...
Latest Lesson Application Idea

Newsletters

Get free weekly uplifting newsletters (available in English, Spanish, French, German and now in Portuguese!)
Subscribe or Update Subscription

Facebook

Find CedarS on Facebook for the latest news, heart-warming fruitage, facility upgrades and more!
Go to the CedarS' Facebook Page